Publicado em Deixe um comentário

MÉDICA DEIXA CARTA ANTES DE MORRER

Trago uma história linda e emocionante da Cat Larissa Medeiros para compartilhar com vocês.A Lari morreu no dia 22 de dezembro em decorrência a um câncer de mama, aos 40 anos. Dias antes de sua última internação, ela escreveu uma carta contando tudo o que aprendeu durante o tratamento da doença.Confira a carta na íntegra:“Querida família! Ando mais reflexiva e ausente… têm sido dias difíceis. Pensei na morte, mas vi um documentário da minha incoerência, já que é a coisa mais certa… Pedi a Deus uma segunda chance ou força p entender se ele tiver outro propósito.

Vou fazer um pedido aqui: hoje minhas chances de cura são menores do que as de sucesso! Luto por 10% de cura!! Sem drama, é um fato! 

Quero e vou vencer, com a ajuda de Deus e Nossa Senhora, sem as estatísticas dos homens! 
Mas queria com muito carinho que se lembrem das coisas que estou aprendendo…

Hoje ter 1,2,5 ou 20 milhões num banco ; ter um bilhete de viagem maravilhosa; um vestido lindo ou poder ir em restaurantes incríveis.. um bom vinho, um doce delicioso… NADA NADA disso eu poderia usufruir agora. Não mudaria minhas chances ou acessos a remédios, não teria pique e disposição para viajar (não posso me ausentar por mais de quinze dias pela quimio, que tem dado muitas reações extras), não posso beber, comer muitos doces… e não tenho ânimo físico p usar um lindo vestido com alegria…

A vaidade de crescer cientificamente, ganhar algo na profissão, prestígio??? Nada fica… Perdi tanto tempo c isso… Fui tão tola em vários aspectos… Só o carinho dos amigos colegas e pacientes que o trabalho trouxe… Mas, claro que não serei hipócrita: Trabalhar, responsabilidades, ter economias… são coisas importantes, mas NÃO são mais do que viver o hoje… ter conforto, usufruir das boas coisas da vida valem a pena… Já viver sempre esperando um futuro que pode não chegar, isto é ir morrendo aos poucos.
Então, o que ficou e o que mais me alegra? As boas lembranças dos momentos e experiências que vivi… as risadas, os carinhos, a alegria das viagens q tanto gostava, da comida gostosa fosse caseira ou de um bom restaurante… os sentimentos verdadeiros e o amor puro da família e tantos amigos queridos q redescobri…
Sei que nada será tão palpável como é para mim que precisei passar por isso poque ter tanta clareza de pensamentos… ouvia isso dos pacientes mas não coloquei em prática…

Gostaria que experimentassem sem ter que passar por algo ruim para mudar:
Brigas, reclamações, vaidades, conflitos… acontecem, mas deixam o ar muito pesado, sugam nossa energia e não levam a nada. Transformam a reunião alegre em algo desagradável… Amor, perdão, paz, alegria renovam tudo…
Nós sendo filhos, noras e genros, pais, irmãos, casais, todos iremos errar… escolher o caminho tem esse desfecho: de acertar ou errar. E errar tem o aprendizado, só o erro traz essa graça de aprender e mudar! não aprendemos com os erros alheios infelizmente… Os acertos infelizmente também não trazem esse conhecimento todo, por ironia… ninguém sabe o que é certo… o certo para mim não é para os demais. 

Vamos conviver em paz, respeitar a individualidade das pessoas, dos casais, mesmo não sendo nossa opinião. Vamos celebrar a vida, ter prazer nos encontros, evitar brigas ou assuntos pesados… queria que todos que puderem começassem a passear, viajar, praticar a leveza no dia a dia… quem quiser ir, voltar, sair, ficar, silenciar… siga seu coração… decida por si… não esperem permissão para serem felizes. Só quem pode nos autorizar somos nós mesmos…
Américo, meu amor, tem me ensinado muito tb… foi um ano terrível p nos… muitas concessões, ajustes… mas nosso amor tem aprendido a ser laço de fita, não e nunca NÓ… nos respeitamos, apoiamos, nos incentivamos mutuamente… se você está estressado, volta da corrida, leve, com o sorriso mais lindo no rosto e só traz boas energias p mim. Não fala nada pesado, não fala de ninguém, sempre positivo, o melhor companheiro q eu poderia ter… meu amor !

Muitas vezes discordamos, queremos coisas diferentes, mas aprendemos a respeitar a decisão do outro sem perder tempo tentando convencer a nossa maneira… acho que ganhamos mais amor e respeito! Amor não é posse ou prisão, é liberdade e respeito…

Sei que ainda temos muito a aprender… mas acho que estamos no caminho, entre acertos e erros…
Tenho vontade de gritar, para todos que quero bem: “Tomem as rédeas de suas vidas… viajem, namorem, comprem com responsabilidade o que lhes dá prazer… a vida é HOJE!! Só hoje!!! Viagens, comer num lugar gostoso, comprem a roupa bonita que querem…”

Não sabemos se viveremos até o futuro… se gozaremos da aposentadoria… se teremos saúde e ânimo p aproveita – lá!! Vivam, vivam, cada um é dono da sua trajetória…
E a vida dará em troca, amor verdadeiro, grandes amigos que farão parte da família… e muito boas memórias…”

Publicado em Deixe um comentário

Nílton Góes

“Olá meu nome é Nílton Góes sou empresário aqui na cidade de Itajaí, Santa Catarina.Certa noite estava no sofá de casa com meu neto e senti um carocinho na minha mama, então ao tocá-lo senti um volume um pouco maior que o de um tamanho de um caroço de laranja. Então, rapidamente, minha esposa Adriana me aconselhou a procurar um médico.Na semana seguinte fui até uma médica por indicação até Florianópolis. Fizemos vários exames e foi constatado um nódulo maligno (câncer de mama masculino).Quando recebi este diagnóstico fiquei sem chão porque até então nunca tinha ouvido falar nesta patologia em homens. Você somente vê falar em câncer de mama em mulheres e creio que a maioria dos homens não saibam que homens podem ter este tipo de câncer.Minha pergunta para a médica foi essa:  Quanto tempo eu teria de vida? Ela me explicou que eu teria que passar por uma cirurgia para retirada do nódulo, o qual já estava com 1.5 cm (cresce muito rápido), e que depois eu teria que passar por sessões de quimioterapia e ser acompanhado por um certo tempo.Quanto mais ela me explicava, mais eu ficava desanimado e pensava  que esta doença iria acabar com minha vida.Então, após a cirurgia que foi feita numa clínica particular, logo veio as sessões de quimioterapia todas feitas no CEPON em Florianópolis. A primeira e segunda sessão foram tranquilas. Agora, após a terceira sessão em diante, vieram cada vez mais os efeitos, muita fadiga, perca de memória, muita sede e enjoos, pois fiquei sabendo que a quimioterapia é acumulativa. Consegui sobreviver e minha última sessão foi no dia 10 de setembro 2018. Agora tenho de fazer todo acompanhamento conforme a médica indicar.No início foi muito difícil, mas resolvi lutar contra não só o câncer mas também contra o psicológico que te derruba e te impossibilita de lutar, pois pior que a doença é o nome CÂNCER. Para me incentivar a lutar, comprei uma camiseta do Superman que vi numa loja, porque qualquer coisinha que te incentiva a ir em frente é valido.

família foi e está sendo muito importante nesta luta. Hoje penso assim: este câncer veio para mim como mais uma superação e no final tenho certeza que serei vitorioso. Pretendo conscientizar os homens sobre este câncer, também porque quanto mais cedo você souber, mais chances de cura você terá.Estamos na luta porque uma vida sem luta não tem vitória!”

Publicado em Deixe um comentário

Amanda Santana

“Em 2008 me formei em enfermagem! Um sonho realizado, a tão desejada faculdade! Assim que me formei já comecei a trabalhar no hospital Municipal da minha cidade (Maricá-RJ). Ali trabalhei por quase 7 anos, me dedicando a cada paciente que precisava dos meus cuidados. Até que conheci um moço pelo Tinder e começamos a namorar.  Ele é militar da aeronáutica e começamos a fazer planos para futuras transferências de estado.Num belo dia ele me liga e diz que dali a 15 dias iria passar 2 meses (de outubro a dezembro) em Fernando de Noronha e quando retornasse ia ser transferido para Recife-Pe. A pedido dele ( e de minha vontade também, claro) fui ao cartório e consegui marcar nosso casamento pra um dia antes dele ir pra Noronha! Nos casamos em 21 de outubro de 2016 e ele viajou dia 22! Ai meu coração!!! Ele voltou dia 24 de dezembro e logo na primeira semana de janeiro colocamos nossas roupas no carro e viemos pra Recife! Quatro dias na estrada e como foi gostoso! Chegando aqui, após mobiliarmos nosso apartamento, me vi como dona de casa, coisa que nunca fui! Sempre trabalhava e tinha uma vida mega movimentada e de uma hora pra outra me vi sozinha, numa cidade onde conhecida poucas pessoas, desempregada…… resultado: depressão!!!!No mês seguinte, com dias no emprego novo, eu fiz exames de rotina e um deles foi a ultra de mama. No momento da ultra o médico achou “algo” estranho e me disse que ia me indicar a fazer a biópsia. Já saí dali com a certeza que estava com câncer.  Beleza! Bora pra biópsia! Que procedimento chatinho!!! Bom, o resultado ia sair numa segunda feira. Pedi ao meu esposo que pegasse, tirasse uma foto e me mandasse pois eu estava no trabalho e assim ele fez! As 9h da manhã eu abro o meu Whatsapp e vejo escrito “carcinoma ductal invasivo“! Eta lasquera que o chão abriu!!!!No mesmo dia fomos ao meu mastologista e ele confirmou e informou o próximo passo: cirurgia! Ele me propôs retirar apenas o quadrante, mas isso muito me preocupou. Nunca tive muita mama. Sempre foram pequeninas. Bom, corremos muito com os exames pré operatórios e em 10 dias do diagnóstico eu entrava naquele centro cirúrgico pra tirar um pedaço da minha mama aos 33 anos de idade, com menos de 2 anos de casada, sem filhos, longe da minha familia e amigos … caramba e agora? Com o resultado da imunohistoquimica fui ao meu oncologista que bateu o martelo que eu não faria quimioterapia. Apenas radioterapia e hormônioterapia por 5 anos.

Hoje, com 3 meses de cirurgia, já terminei a radioterapia. Que tratamentozinho maldito!!! Me arriou desde o primeiro dia. Fiz 21 sessões no geral e não houve um dia sequer que eu não tenha ficado enjoada e com fadiga! Hoje faz uma semana que terminei e a minha pele já está clareando, mas ficou tão escura durante o tratamento que deu até bolha!Conclusão: Deus faz as coisas tão certas que me tirou do meu estado pra que pudesse ter toda essa assistência que eu não teria se tivesse na minha cidade.E continuamos com o tamoxifeno por mais 4 anos e 10 meses!!!!O futuro? Aaaahhhh amanhã eu respondo tá? “

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: PATRÍCIA

Meu nome é Patricia. Tenho 48 anos, sou casada, e tenho 2 filhos: Carol (14 anos) e Vini (7 anos). Desde que recebi o diagnóstico de câncer de mama em Agosto/17, minha mãe não saiu do meu lado. Mesmo em meio aos exames mais difíceis e aos resultados mais assustadores, ela se manteve firme na sua fé. Uma fé inabalável, uma certeza que tudo daria certo que me enchia de força e coragem. Hoje penso: claro que ela teve seus momentos difíceis, mas nunca me passou nenhuma insegurança. Coisas de mãe

Após 3 meses de exames, o tratamento foi definido. Fiz mastectomia na mama direita em 30/11/17. E ela se mudou para a minha casa para cuidar da minha recuperação, da minha casa, e de nossa família. Depois de um bom tempo, ela me confessou como foi difícil para ela sendo minha mãe quando foi trocar o primeiro curativo me ver sem a mama. Ela se perguntava: “por que é com ela e não comigo? Ela ainda tem filhos pequenos”… Ela não achava justo. Mas em nenhum momento senti essas tristezas que estavam no coração dela. Ela cuidou de tudo para que eu pudesse me cuidar, fazer o repouso necessário. Até voltar a dirigir, depois de 10 anos, ela fez por nós para nos ajudar. A força dela, a vontade que eu me recuperasse bem era tanta que eu não me sentia no direito de desanimar. Afinal, ela estava fazendo tudo para que desse certo. E deu 

. Recuperada da cirurgia, veio outro baque: teria que fazer quimioterapia. Essa sim foi uma etapa difícil. Bateu uma revolta a princípio, pois tudo indicava que não precisaria. Vi ela chorando pela primeira vez, choramos juntas, eu tinha tanto medo de fazer a quimioterapia que quase morri antes ahhfff. Foi horrível, e quem foi comigo na primeira? Ela, claro.

A minha mãe que me acalmou, que me deu força, e me sustentou mais uma vez. E deu tudo certo. Permaneceu na minha casa durante a quimio para cuidar da minha alimentação, e mais uma vez deu tudo certo, não tive nenhuma interferência. Ela fez tudo que estava e que não estava ao alcance dela, foi julgada, passou por situações que não merecia e sempre se manteve firme no propósito de cuidar de mim. Passou por cima de tantas coisas que não sei se eu conseguiria passar no lugar dela. Só foi para casa dela 15 dias depois da minha última quimio. Confesso que me senti meio órfã kkk perdida mesmo onde tive que passar de filha para mãe de novo kkk. Mas do mesmo jeito que ela me cuidou me colocou de pé de novo, me devolveu minha vida, eu também deveria devolver a vida dela de volta. Hoje estamos vivendo nossas vidas na certeza de que isso só cresceu ainda mais nosso amor e que ela é minha fonte de força, e acho que eu também sou um pouco da dela. Tenho uma gratidão eterna por tudo que ela fez por mim e pela nossa família. Peço a Deus que eu possa retribuir tudo que em fez por mim sendo feliz, pois sei que minha felicidade será a dela. Amo minha mãe mais do que tudo na vida!!!

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: MARIA TEIXEIRA

Em janeiro de 2014 senti um nódulo na mama esquerda durante o banho. No mesmo dia procurei o médico, que me examinou e pediu a mamografia. Fiz o exame e o resultado deu normal, o médico falou que estava tudo ok.

Passaram uns 15 dias e eu voltei a procurá-lo, pois sentia me mal. Ele me pediu um teste de gravidez… Para a minha alegria deu positivo! Eu estava grávida! Queria muito ser mãe pela segunda vez, já que sou mãe de uma adolescente, e, aos meus 38 anos, minha segunda gravidez só trouxe felicidade!

O médico chegou a dizer que o nódulo na mama era por causa da gravidez… Aos 9 meses de muitas alegrias, em outubro de 2014 nasceu meu filho Rafael lindo, cheio de saúde! Amamentei ele até os 11 meses, mas eu continuava cismada com o nódulo, pensava que não podia ser normal.

Em Outubro de 2015, procurei o médico novamente, repeti os exames e também fiz biópsia. O resultado: eu estava com câncer… Só chorava, pensava na minha família… Meu bebê ficar sem mim, quanta tristeza… Mas pensei tenho duas opções: ou encaro o que vem pela frente na minha batalha ou desisto.

Resolvi lutar e lutei muito sem desanimar, pedi muita força a Deus. Foram meses de tratamento, fiz cirurgia, 16 quimios (4 vermelhas e 12 brancas), 20 rádios… Em Setembro de 2017 fez um ano que teminei o tratamento, Continuo tomando tamoxfeno por 5 anos e com exames a cada 3 meses.

Estou muito bem, curtindo minha família a cada segundo.

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: ADRIANE BUCHMANN GÄRTNER

Vi uma diferença de formato na minha mama em abril de 2015, enquanto viajava com meu marido para comemorar 18 anos de casado.

Voltei para o Brasil e acabei deixando o pedido de US que uma amiga me passou na gaveta.

Meus pais moram em Curitiba. Em julho fui pra lá e acabei passando 15 dias com minha mãe na UTI… E no dia 24 ela faleceu.  Passado este baque na minha vida, tivemos um problema com meu pai, que ficou 50 dias de cama, quebrou a prótese do fêmur.

Bom, e meu US na gaveta….

Meados de outubro fui na ginecologista e ela viu a diferença das mamas, não me falou nada, mas já desconfiou! Fiz US, mamografia e punção… Mas na minha cabeça não era nada.

Queria ficar livre desses exames e nem mais ver “jaleco branco” na minha frente… Os 15 dias com minha mãe na UTI foram devastadores no meu coração. Passava 7h por dia com ela na UTI.

Bom, os resultados saíram… Em que dia? 30 de outubro, aniversário da minha mãezinha! Ela completaria 77 anos… 

Hoje, depois de tudo, tenho certeza que eu não poderia ter descoberto antes. Minha mãe precisou de mim na UTI e ela não teria forças para enfrentar mais um câncer de filha. Minha irmã do meio tinha tido CA de intestino 1 ano e meio antes…. 

De uma coisa eu sei, foi com a força que ela me mandou e me ensinou que eu enfrentei todo o tratamento com tanta serenidade. Eu lutei e venci!! Sentia a presença dela em todos os momentos… Ela sempre esteve e está comigo!!

Como mãe, foi por meus filhos que lutei… Depois que meus gêmeos descobriram que eu estava usando peruca, contei tudo para eles. E aí parece que tudo ficou mais tranquilo ainda, pois tive a ajuda e força deles. Meus filhos são tudo pra mim

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: ELIANE FELISBINO

Se criar filhos em geral dá trabalho, imagine criar três filhos durante um tratamento contra o câncer. “Mãe não tem limite, é tempo sem hora…” disse certa vez o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade. Essa relação de afeto é algo que instiga não só na literatura. Na vida real, há quem diga que a maternidade concede uma força especial ao sexo feminino, capaz de ajudar a superar até mesmo doenças. 

É nos filhos que algumas mães buscam inspiração para vencer o câncer e continuar vivendo

 Sou Eliane Felisbino, tenho 43 anos, sou formada em Sociologia. Tenho três filhos: Higor com 23, a Valentina 6, Murillo com 7 anos. Obtive diagnóstico com câncer de ovário em 2015. Desde que descobri, luto incansavelmente, já fiz 6 cirurgias, 28 quimioterapias e 32 radioterapias. O câncer não me tirou alegria de viver, sempre fui uma pessoa alegre de bem com a vida. 

 Nos últimos três anos, enfrentei idas e vindas do hospital. Hoje, minha família é franca em dizer que pensou que não ia aguentar. Passei por desafios que a maioria de nós não vai passar durante uma vida. 2017 foi um ano muito difícil, ano de muita superação por conta da descoberta de uma metáfase. Houve uma sugestão dos médicos para tratamento paliativo já que quimioterapia não estava obtendo o resultado esperado, mas eu não desisti, procurei mudar toda alimentação. Eu venci o câncer de ovário, sem sombra de dúvidas! 2018, este ano memorável, estou só em acompanhamento no Hospital do Amor em Barretos. Pelos meus filhos nunca nem pensei em desistir. Dois deles são muito pequenos, então uma força chamada FÉ me fez acreditar que eu poderia vencer.

Hoje estou aqui escrevendo na semana do dia das mães para Quimioterapia e Beleza, com muita satisfação. 

 Homenageando todas as mães, principalmente aquelas que, como eu, enfrentam o câncer pelos seus filhos e família. Mães são criaturas divinas destinadas por Deus a nos proteger de qualquer mal que possa nos atingir!

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: DRA. FABÍOLA LA TORRE E SUA MÃE!

Bom dia, Cats!! Continuando nossa programação especial do Dia das Mães, hoje o depoimento é da mãe da Dra. Fabiola La Torre – de médica à paciente. Drafabiolalatorre.com, nossa Cat master!! 

Falar sobre isso ainda é difícil porque na hora você chega no fundo do poço e acha que não haverá uma saída.
Você de repente recebe um telefonema de rotina da sua filha e ela começa a falar:
– Mãe, fiz meus exames de rotina e não gostei da mamografia. Tenho quase certeza que estou com o câncer de mama.
– Eu disse: menina, para de falar bobagem! E ela:
– É sério, eu já fiz até a biópsia. Só vou esperar o resultado.
Logo veio o diagnóstico e infelizmente positivo. Eu tive a impressão que não ia aguentar, mas ela pedia ao telefone: fica bem para eu ficar também porque preciso disso. Depois ela me disse “não vem agora porque estou agindo tudo sem parar”. E eu fiquei sem chão, queria correr, abraçá-la, pegar no colo como sempre o fiz nas suas horas difíceis, mas algo impedia que isso fosse realizado.

E assim foram passando os dias até que chegou o dia do embarque para São Paulo para que finalmente eu pudesse abraçar minha menina que amo demais. Fomos eu e minha outra filha, Francine, e ela já estava fazendo a quimio. Nessa época o cabelo começou a cair, o que era difícil, pois ela sempre teve muita paixão por eles. Então, fomos com ela para raspar a cabeça e experimentar a peruca. Ela parecia tranquila mas eu, como mãe, sabia como estava sendo difícil. Eu tive uma sensação horrível em minha cabeça mas respirei fundo e pedi forças a Deus. Fiquei uns dias com ela e depois tive que vir embora, e ela foi levando o tratamento, trabalhando no que ela podia, escrevendo um livro sobre a doença dela, ajudando com jantares beneficentes e outras obras para levar um pouco de alegria as pessoas que não tinham condições de comprar peruca.

Isso me encheu de orgulho, pois além da doença, ela estava fazendo esse trabalho lindo. 

E ela foi forte, consciente e soube caminhar por essa turbulência com muita garra.
Mas digo: para uma mãe não é fácil receber um diagnóstico desse de uma filha. Agora, estou aprendendo com ela a enfrentar a vida pós câncer e a parabenizo muito .
– Amo demais 

De sua mãe,
RITA.

Tem uma história para nos mandar? Envie para [email protected]

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: CAMILA

Bom dia Cats! Hoje o depoimento da Semana das Mães é da Cat Camila com seu filho Luiz Augusto e mãe Aparecida. Tem uma história de superação com sua mãe, filho ou avó? Mande para [email protected] ou inbox mesmo!

Descobri o câncer de mama no mês de Asgosto de 2017 com 33 anos, desempregada há poucos dias com um filho de 1 ano. Pensei que minha sentença de morte estava ali bem nas minhas mãos no laudo da biópsia. Antes dessa descoberta estava com a minha vida muito tumultuada, acho que essa palavra se encaixa melhor, mas vou começar a explicar….

Antes do meu filho nascer, eu trabalhava como terceira em uma multinacional na região Campinas e aceitei a oportunidade de ser contratada para uma vaga efetiva na empresa porém sabendo da mudança pra outro estado (RJ). Toda a semana eu ia pra lá aos domingos e voltava às sextas feiras à noite, pois minha família e noivo são daqui de Campinas. Foram mais de 3 anos fazendo esse bate e volta de quase 400 km. Quando tinha com quem revezar eu ia de carro, pois compensava, quando não ia de ônibus (muitas vezes mais de 5 horas de viagem). Não tenho noção de quantas horas perdi nesse trajeto. Meu filho viajou muito mais na barriga do que quando ele nasceu hauahau. Bom, foi aí que eu cansada dessa vida conversei com meu gestor para me mandar embora. Eu não podia pedir demissão pois meu noivorido estava desempregado, para complicar as coisas… Tive que aguentar ainda mais 8 meses deixando meu filho com a minha mãe durante a semana aqui em Campinas e indo trabalhar pra lá. Domingo era muito difícil pra mim, pois sabia que ia ficar sem ver meu filho a semana inteira. Comecei a ficar doente, só chorava, dias difíceis… Mas agosto ja estava por vir, era o mês que eles me mandariam embora e tb era o mês que minha vida iria mudar totalmente e eu não sabia.

Foi aí que senti um nódulo no seio quando fui passar creme e comentei com a minha mãe que falou que deveria ser leite parado. Então agosto chegou e fui demitida dia 01. Corri atrás de médico, pois ia perder o convênio em 30 dias. No dia 03 pedi exame e dia 05 fui fazer US e já deu Birards 4c. Dia 07 já estava coletando material para biópsia. E em menos de 2 semanas saiu o resultado. E em agosto mesmo ja comecei as quimioterapias. Foram 16 seções… Tudo muito rápido… Consegui ficar com convênio da empresa. Terminei as quimios no dia 08 fevereiro e fiz mastectomia com reconstrução no dia 21 março.

Durante todo o tratamento, minha mãe foi uma guerreira e me ajudou muito. Sou muito grata a Deus por te-la comigo. Não sei o que seria de mim e do meu filho sem seus cuidados. Meu filho é lindo e alegre agradeço todos os dias pelo dom de sua vida e saúde. A doença nos faz repensar tudo na nossa vida e dar valor ao que realmente nos faz bem o que realmente faz nossos corações bater mais forte 

Para hoje, somente gratidão por tudo.

Publicado em Deixe um comentário

ESPECIAL DIA DAS MÃES: VIVI ROOS

Olá Cats, bom dia!!!

Seguimos a programação Especial de Dia das Mães nessa semana! Tem uma mensagem que gostaria de compartilhar sobre sua mãe, filha ou avó? Mande para [email protected]

Hoje o depoimento é da Cat Vivi Roos! Confiram:

Mãe é o termo usado para designar um coração capaz de amar infinitamente, é aquela que cura com um abraço e sara machucado com um beijo. Li isso num texto do João Doederlien, e mãe é isso né? Em qualquer idade.
E ela que pede de Maria para Maria e sabe que a Mãezinha entende direitinho os medos dela, pois o Filho dela passou por poucas e boas e ela sentiu tantos medos, viu cheio de cicatrizes, sangrar e doer, e se pudesse trocaria de lugar com Ele.
Então quando ela ajoelha e pede, sabe que está falando de mãe pra Mãe.
Quando me dizem que sou forte e acredito em milagres, sim, tive a melhor professora. Pois ela acreditou sempre no milagre da maternidade, mesmo quando diziam que ela não podia. E aqui estamos, eu e meu irmão.
Amor cura, amor de mãe cura infinitamente mais.
Feliz dia das mães a todas as mães!