Publicado em Deixe um comentário

História da Cat Regina Izar

A Cat Regina Izar ao deixar seu depoimento falou “quero muito ajudar outras pessoas, acho tão importante nesse momento. Tudo tem um propósito na vida, né? E se eu puder ajudar uma só mulher, já vale!! O bem que vs me fizeram, e fazem para outras mulheres é impagável!!!”

Vem ler sua jornada oncológica:

“Muito obrigada pelo conforto, pelo acolhimento que sinto quando entro aqui. Meu nome é Regina, em setembro do ano passado fui diagnosticada com câncer colorretal. Foi uma porrada na cara. Fiz quimio via oral (eram 12 comprimidos por dia), junto com a radio por 45 dias seguidos. Em janeiro fiz a cirurgia e retirei todo o intruso…como estava bem no final do intestino e começo do canal do reto, tive que fazer uma ileostomia (a bolsa de 💩), é temporária, mas uma adaptação difícil em todos os sentidos. Agora estou desde março fazendo a quimio preventiva…faltam 4 sessões, acabo em setembro e em outubro faço a reversão e retiro a bolsa.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa

Recebi a noticia de que estou livre do câncer, já não tenho nenhum resquício de um dia do intruso…não tem noticia melhor. Mas como ainda não acabei a quimio, e minha médica disse que a quimio vai evitar que essa porcaria volte, como ainda não tirei a bolsa, parece que a ficha não caiu. Meu cabelo não caiu todo, mas faço 5 horas de aplicação da quimio e volto para casa com um infusor, e só retiro depois de 36 horas. Tenho náuseas, manchas e sensibilidade na pele, fraqueza, dor no corpo, formigamento nas mãos e nos pés, e uma sensibilidade ao frio que me judia…estava bem para baixo, me sentindo feia, triste por passar por isso…e entrar aqui me ajudou a ressignificar tudo isso!!! Tenho muita sorte por estar passando por isso e ter a chance de mudar, de enxergar tudo de outra maneira…de viver o caminho, não apenas a ansiedade na linha de chegada.Obrigada, de todo meu coração, muito obrigada!!! ❤

Cat, estamos todas nesta batalha e não precisamos passar por isso sozinhas. Histórias como a sua nos fortalece e inspira pra erguermos a cabeça e seguirmos em frente com força e leveza.

Obrigada por dividir com tanta gente sua história e confiar no nosso apoio! 🎀💖

Publicado em Deixe um comentário

Cat Giu Nardini

Cats, a Giulianna Nardini compartilhou o depoimento falando da importância de dar atenção à uma vida saudável depois de vencer o câncer de mama aos 21 anos!

“”nossa, você teve câncer tão nova”
Toda vez que alguém descobre que eu tive câncer de mama com 21 anos eu ouço isso. Entendo o espanto (eu, minha família e até meus médicos achávamos que não seria não seria nada por causa da idade), mas precisamos falar, sempre que possível: CÂNCER NÃO TEM IDADE 🗣️

O câncer não é uma doença que tem que tremer as pernas só de ouvir o nome, não é igual a gente vê nos filmes. Tenho certeza que todo mundo conhece alguém que não fala nem a palavra câncer, bate na boca ou fala “aquela doença”.

Enquanto o nome dessa doença não for falada, enquanto a gente não falar que câncer não tem idade e que todos precisamos nos cuidar, ela continuará assustando milhares de pessoas.

Existe prevenção? Não. Não existe nada que te garanta que você não vai nunca ter câncer, mas existem cuidados: ter uma vida saudável (lembrando que é pra cuidar da saúde física e psicológica, hein) e ir ao médico com frequência. O papo da vida saudável é sério, a educação alimentar é tão importante quanto exercício e terapia. Somos uma maquininha complexa 🤖

E a necessidade de ir ao médico e fazer exames com a frequência indicada é de extrema importância. Procure um médico que você confie, que dê o match paciente-médico, e tire todas as suas dúvidas.

A única coisa que a gente tem é nosso corpo. Beba água, come frutinha e tome sol, ok?”

Vamos seguir o conselho da Giu e cuidar do nosso corpo! 💖🎀

Gostaram desse depoimento? Se quiser compartilhar o seu, encaminhe junto com uma foto para o email [email protected] Nossas histórias nos uni na luta contra o câncer. 🎀

Publicado em Deixe um comentário

Depoimento das Cats – Dia dos Namorados

Naira

“Nos conhecemos quando ainda estávamos no colégio, aos 15 anos (eu) e 16 (ele). Estudamos juntos na mesma sala de aula e ele se apaixonou, mas não tinha coragem de expor seus sentimentos, pois eu namorava na época e ele tinha se tornado meu melhor amigo. Mas o destino reservava algo para nós: continuamos a estudar juntos e eu acabei me separando do namorado…e foi aí que descobri que eu amava o meu melhor amigo ❤️

Me declarei a ele e ele a mim, e passados 6 meses do início do nosso namoro eu disse sim e nos casamos no cartório (22/09/2017). Eu tinha apenas 17 anos e ele 18, mas nos amávamos muito, então não nos importamos com a idade e só queríamos viver felizes para sempre.

❤️

Os anos foram passando e a gente construiu tudo juntos, viajamos, compramos nossa casa, carro e tínhamos estabilidade financeira legal, graças a Deus. Mas, no ano de 2020 foi tudo diferente: ele foi mandado embora do trabalho após 12 anos, roubaram nossa casa e, para finalizar, no final do ano descobri que estava com câncer 🥺 tudo pareceu ser o ano mais assustador das nossas vidas e na realidade foi!

A gente chorou muito, se abraçou, chorou de novo, foram dias nublados, mas erguemos a cabeça e iniciamos o tratamento. Ele foi simplesmente maravilhoso comigo (como sempre), fazia questão de me lembrar o quanto me amava e que eu sou mais do que estética, pois tive perda de cabelo e possível retirada das mamas.

Ele me amava por quem eu era e afirmava que me admirava cada dia mais. Hoje estou no processo de radioterapia, vou iniciar esse mês. O que posso dizer é que eu o amo ainda mais!!!!

Estamos felizes e esperando outro milagre que será ter nossos filhos em nossos braços! Espero contar essa novidade em breve (quando Deus quiser). Seguimos com fé e muito amor! Obrigada Cats love❤️

Carol Brito

“Eu e meu esposo nos conhecemos no trabalho, em 2011. Ele era meu gerente e morava em Goiânia. Eu, em Sampa. Ele era casado, sem filhos. Eu, casada e com 1 filhotão: o João Vitor.

A vida nos aproximou em 2015/16, quando já estávamos separados e começamos a namorar. Mudei para Goiânia e, em outubro de 2018, fizemos uma linda festa de casamento, do jeito que sempre sonhamos.

Em agosto de 2019 ele descobriu um cisto no pescoço e fez a retirada, até aquele momento não era nada grave. Passou. No dia 06 de janeiro de 2020, tentando engravidar, senti uma dor muito forte no abdômen e fui parar no PS. O exame revelou uma leucemia LLA.

Comecei o tratamento e entrei em remissão logo no início. Em dezembro entrei na manutenção e ele descobriu um novo tumor no pescoço. Cirurgia feita em janeiro de 2021 e o diagnóstico chegou em fevereiro: maligno! Iniciamos rádio e quimio e hoje ele está encerrando o tratamento dele.

Até quimio fizemos juntos mês passado! Agora estamos aguardando o final do meu tratamento também para continuarmos nossa linda história de amor!”

Lilian Ferraz Ferreira

“Tudo começou oito anos após o fim do casamento. Estava apenas esperando que Deus me abençoasse com alguém que cuidasse de mim.

Foi então que, em 2011, conheci quase sem querer o pai do namorado da minha filha na época, recém chegado do Sul. Estávamos orando pelo mesmo propósito. No dia seguinte ele já falou que, se eu concordasse, estávamos namorando. Sabia que ele seria meu marido.

💞

Em 68 dias, namoramos, noivamos e casamos. Dia 2 de junho completamos 10 anos de casados. Passamos por muita coisa juntos, tivemos também uma neta, fruto do casamento da minha filha com o filho dele. Nossa herança.

Descobri o câncer de mama este ano, em janeiro. Entendi que a promessa de Deus veio mesmo em forma de cuidado. Meu marido tem sido meu companheiro em todos os momentos da caminhada com a doença. Cuidou de mim após a cirurgia, ora por mim e me acompanha no tratamento.

Neste mês dos namorados, divido minha história com vocês, testemunho vivo de que podemos ter outra chance no amor e renascer após o câncer.

💟

Estou em tratamento de radioterapia, confiante em Deus pela cura. Que o senhor nos abençoe!”

Sandra Sampaio

“Eu e o Jefferson estudamos da 1° até a 4° série juntos. Tínhamos uns 10 anos quando nos vimos pela última vez.

Em 1998 conheci o meu ex-marido, com o qual vivi um longo e turbulento relacionamento com muitas felicidades, mas também com muitas mentiras, humilhações, brigas e traições.

Eu não era feliz, não me sentia feliz naquela vida. Somente soube o que era felicidade quando descobri que estava grávida da minha menina, que hoje está com 14 anos e é a minha fonte de energia e força!

Eu precisava muito tomar um rumo na minha vida, deixar o estresse de lado e dar mais atenção para meu futuro e para minha saúde física e emocional.

Em 2015 apareceu um carocinho no meu peito esquerdo, mas eu não percebi! Quem percebeu que o mamilo estava “para dentro” quando levantei o braço para arrumar o cabelo após o banho foi minha filha. Daí começou a luta.

Exames preparatórios para a mastectomia, um choque anafilático na indução anestésica suspendendo a cirurgia, marcada novamente 1 mês depois, quimioterapia, radioterapia e agora faço uso do tamoxifeno e vou usar por mais 5 anos.

Em maio de 2020, em plena pandemia, reencontrei o Jefferson (lembra aquele lá do começo da história? Então!). Ele veio buscar uns livros, conversamos e descobri que ele está fazendo a mesma faculdade que eu fiz.

💟

Nos olhamos olho no olho e dali não nos largamos mais! Estamos morando juntos e dia 12/06 fizemos 01 ano de oficialização da nossa união. Foi tudo muito rápido mesmo, porque após quase encontrar com a morte e sobreviver, a gente não tem mais tempo para perder!! A vida é hoje!!”

Danielle Veiga

“Sou vizinha do Glauber a vida toda!
Minha mãe brinca dizendo que ele não “deixou” eu ir “conhecer o mundo” e outros rapazes….rsrsrs… era pra ser!! Vi ele namorar moças e ele tbm. Em 2009 estávamos os dois sem ninguém e encontrei ele na rua no bairro. Alí nascia a nossa jornada juntos!

Já são quase 14 anos juntos, um filho de 10 anos, muitas lutas e aprendizados, muitas viagens, um casamento oficializado em 2017 com direito ao nosso filho entrar com as alianças, uma vida conquistada com muito trabalho, muito romantismo simm…só entre nós, muitas danças, pois amamos dançar agarradinhos, uma filha pet, a superação de viver com a epilepsia que ele tem e agora o aprendizado de passar pela jornada do câncer.

2 pessoas com doenças que aos olhos de fora acham um “casal improvável”. Mas estamos aqui, firmes e fortes para Glória de Deus💪 Já passei pela cirurgia de retirada do tumor em meio ao surto de oxigênio na minha cidade, Manaus, em 26/01/2021 e conclui, para Glória de Deus, 4 quimios vermelhas. Tenho um caminho ainda a seguir, mas a minha história e o amor e cuidado que recebo me dão muito apoio.

Sempre oro e digo a Deus o quanto me sinto especial por ter um amor ao meu lado e por ele ser quem é. Minha paixão de longos anos❣”

Jessica de Souza Azevedo

“Um pouco antes de terminar as minhas quimios, entrei em um app com o objetivo de conhecer alguém, sair, distrair e, se rolasse algo, ok (Já na descrição, falei que estava vencendo uma luta contra um câncer de mama). Mas não rolou… eles até conversavam, mas quando viam minhas fotos careca, bem inchada e pálida, se afastavam.

Eu já havia desistido, havia terminado as quimios também, então entrei em outro app e tentei novamente… foi lá que encontrei meu namorado, que desde a primeira conversa foi uma pessoal maravilhosa!

No primeiro encontro deixei ele esperando por uma hora, porque fiquei tentando colar cílios postiços que não colaram. A roupa que eu ia usar já não servia mais, porque estava inchada, Além disso, tive uma infecção nas unhas das mãos que fazia vazar uma secreção delas e não achava um lenço que ficasse legal com a roupa.

Até que, ao entrar na sala onde ele estava me esperando, ele abriu um sorriso lindo e me deu um abraço taaaaooo aconchegante, tão cheio de carinho e empatia, que eu fiquei sem chão. Perguntei se ele se importava com a ideia de eu ir sem lenço e ele disse que não, que eu era linda, que tinha uma história linda e que não precisava ter vergonha. Eu escondia minhas mãos por conta da infecção e ele fazia questão de segurar.

Desde o primeiro encontro ele fez questão de andar de mãos dadas comigo no shopping, desde o primeiro encontro ele me aceitou como eu era, desde o primeiro encontro ele me enxergou quando nem eu me enxergava mais. Foi um príncipe na nossa primeira vez, porque eu estava super sem jeito, fazia meses que eu não transava e como disse, eu me olhava e não me via… Me acompanhou na cirurgia, e nem namorávamos na época. O Fábio é um homem maravilhoso!”

Jordana Marques

“No dia dos namorados em 2011, eu e o Rafael fomos a uma balada que tinha como título “noite dos solteiros”. Lá fomos apresentados por amigos em comum, ele não lembrava de mim, mas eu lembrava daquele lindo alemão dançarino de invernada (grupo de danças tradicionalistas Gaúchas).

No outro dia, já nos seguimos nas redes sociais e a partir daí, semanalmente, combinávamos de ir juntos nas festas, shows, baladas. Rolava um clima, mas não admitíamos, talvez por medo de estragar aquela amizade legal de festas.

Seis meses se passaram e não conseguimos mais conter o que sentíamos. No dia 07/01/2012 tivemos nosso primeiro beijo. Foi lindo e mágico. Nos entregamos inteiramente ao amor reprimido por meses. Logo ele veio morar comigo, um tempo depois adotamos uma filha canina, a Dara, e, em 2016, resolvemos aumentar a família e foi então que a Rafa nasceu, em 2017, para completar o nosso lar.

Viajamos muito, conhecemos vários lugares que sonhávamos desde a infância, realizamos sonhos juntos, formaturas, compra de carro, compra da casa, ganhamos afilhados, sobrinhos e, nosso amor que nasceu de uma amizade, cresceu e prosperou. Tínhamos um casamento dito como perfeito.

Foi então que, em novembro de 2020, em um exame de rotina, eu descobri um nódulo na mama esquerda. Ele foi a primeira pessoa para quem liguei e contei brincando que teríamos mais um filho….Sim, fiquei em choque com aquela imagem na tela da eco mamária, mas levei na brincadeira para não assustá-lo.

No mesmo dia, já falei com a minha médica assistente que solicitou mais exames e, em menos de um mês, estávamos lá. Eu e ele no consultório da oncologista com o diagnóstico pronto: câncer de mama.

Iniciei as quimios no dia 29/12, com ele lá ao meu lado e, desde então, sempre que é possível ele me acompanha em todos os exames, procedimentos, consultas, quimios….

Sou muito agradecida de ter ele ao meu lado nós últimos 10 anos, mas muito mais por ter ele nos último seis meses mais difíceis da minha vida, porque ele é a minha base de apoio, meu ombro para chorar, meu companheiro nas horas boas e também difíceis. Amo sem limites e nunca serei capaz de retribuir o cuidado que tem comigo ❤️”

Andréia Rocha

“Em 2001 conheci uma rapaz e eu nem fazia ideia de que ele dividiria comigo tantos momentos da minha vida. Eu e o Ronaldo nos conhecemos em um barzinho – fomos apresentados por amigos kkk – e começamos a namorar. Ele foi o meu primeiro namorado 🥰 ficamos noivos e a vontade de estar sempre juntos nos levou ao casamento 🙏🏾

Depois de 3 anos de casados, engravidamos de uma princesa linda, que hoje tem 12 anos, a nossa menina meiga Nicolly🎀 Ali se realizava o nosso sonho de sermos Pais♥️ Mas, cinco anos depois da Nicolly, viria um anjo que salvaria a minha vida. Engravidei novamente e, desta vez era um menino.

Foi uma alegria muito grande tanto da minha parte quanto da parte do Ronaldo. Estávamos muito felizes até quando chegou o dia do pré natal e teve um momento em que a médica, realizando um alto exame, apalpou um nódulo na minha mama esquerda e, ao investigar, descobrimos que era um câncer.

Sim, eu estava com Câncer e grávida😢 Foi um balde de água fria. O mundo desabou sobre as nossas cabeças. Ficamos desesperados, perdidos, tivemos que encontrar forças um no outro e foi aí que o modo Amor foi ativado mais uma vez ♥️ o meu Amigo, parceiro e Marido esteve ao meu Lado e nós enfrentamos juntos as 10 quimioterapias grávida😢

Todas as incertezas, dores e a nossa vitória juntos, nunca largamos as mãos até o nascimento do nosso amor o Pyetro 💙que veio lindo e esbanjando saúde, e nós estamos caminhando juntos com a graça de Deus até hoje

São 23 anos juntos sendo 16 anos casados e com a certeza de que o Amor venceu! E eu não canso de dizer o quanto eu Amo ele♥️”

Marilena

“Nos conhecemos no mesmo hospital que trabalhávamos, eu era técnica de enfermagem e ele agente de portaria. Começamos uma amizade e não ultrapassava isso. Ele foi desligado da empresa e eu precisei me afastar por conta do diagnóstico de câncer de mama.

Perdemos o contato, mas depois de tanto tempo ele me achou no Facebook e enviou uma mensagem. A partir disso, começamos a conversar diariamente. Ele pediu que marcasse um encontro e foi quando disse a ele que estava em tratamento, porém não falei o motivo.

Ele entendeu mesmo não sabendo do que se tratava e ainda disse que iria me esperar o tempo que precisasse. Achei uma loucura, porque até então como poderia uma pessoa que nem tive tanto contato assim pessoalmente estar nessa ânsia de me ver, de conversar…?

Depois de tanto tempo conversando, no dia 29 de Julho de 2018, ele me enviou uma música de Ferrugem (“Quer ser minha namorada?”). Ainda comentei: que música linda! Foi quando ele categoricamente falou: com essa música estou perguntando se você quer ser minha namorada? Não acreditei muito, ´porque até então “namorávamos” virtualmente. Mas, aceitei.

Em setembro de 2018 teve um encontro de casais com amigos em comum e foi a 1ª vez que nos vimos depois de estar no tratamento. Desde esse dia fomos nos fortalecendo, ele me acompanhava nas consultas, exames, fez parte de todo tratamento. Foi e ainda é muito parceiro, humano, respeitoso, me ajudou de todas as formas.

No período da cirurgia ficou na minha casa por 17 dias, fazendo curativo, me ajudando na alimentação, em tudo. Começamos a namorar: eu estava na metade da quimioterapia, ele tinha duas opções, ir embora ou ficar. Ele decidiu ficar e se fez presente. Já vi vários estudos dizendo que 70% dos homens abandonam suas parceiras quando descobrem o diagnóstico, sem contar os 40% das mulheres que têm medo de contar ao parceiro por medo do abandono. Com propriedade, hoje digo que Deus faz tudo perfeito.

Não foi à toa que ele entrou na minha vida e nem eu na vida dele. Existe propósito, nada é por acaso. E a mensagem que deixo pra vocês é que caminhar juntos é diferente de caminhar sozinho, não sabemos o dia de amanhã. Tenha mais empatia, seja mais humano, companheiro, acolhedor. Se o psicológico está bem, a probabilidade de cura é ainda maior. Beijo, Mari e Flávio”

Evelise de Freitas Fatori

“Eu e meu marido começamos a namorar em fevereiro de 2014, quando eu era advogada e tinha uma saúde excelente. Ele tem um filho e eu tenho o meu. Em 2017 descobri o primeiro câncer na mama direita e meu marido me deu todo suporte e estrutura que se precisa numa hora dessas.

Fiquei sem trabalhar, perdi tudo o que eu tinha e ele ali, sempre comigo. Em 2018 descobrimos outro câncer, desta vez na derme da mama e, como apoio, Max raspou a cabeça junto comigo e ficamos carecas juntos. Ele sempre me apoiando.

2019, 2020 e agora em 2021 tive novos diagnósticos: mama direita, fígado e ossos. Para mama, em 2019, tive que fazer uma cirurgia muita invasiva que requer muito cuidado no pós operatório e quem fez tudo com amor e carinho? Meu marido. E assim estamos construindo nossa história, com amor, carinho, respeito e dedicação de um com outro, pois vivemos 24h juntos desde 2015. Na minha vida, Max é o ar que eu respiro… Ele anulou a vida dele pra cuidar da minha.

Sou muito grata a ele e a Deus, que me deu um anjo de presente, tanto o é que ele tem muitas pessoas que o admiram e o aplaudem. Ele age com a maior expressão do amor em relação a mim! E essa é nossa história: parceria, amor, cumplicidade, amizade, pois somos os melhores amigos um do outro.”

Lis Almeida

“Me chamo Lis Almeida, tenho 42 anos, conheci o Edu, de 55 anos, em 2017. Depois de um relacionamento abusivo, eu não queria me envolver pois estava muito machucada por dentro e traumatizada. Mas acabamos nos conhecendo pelas redes sociais de uma amiga em comum e viramos amigos.
Até que nos encontramos e foi muito tranquilo, ele se apaixonou de primeira e eu relutei por alguns meses, até que me apaixonei pela vida dele. E assim nos tornamos namorados e não nos largamos mais.

Em 2018, ficamos noivos e estamos até hoje noivos. Em 2020, no final de julho, descobri o CA de Mama e pedi para que ele me deixasse pois não queria que ele sofresse, e ele me perguntou se fosse ao contrário se eu o deixaria. Claro que disse que não!! E ele pediu para eu não falar mais besteiras que nós seguiríamos juntos nessa caminhada árdua.

Desde consultas a exames, ele jamais deixou de segurar minha mão. Em janeiro de 2021 foi a minha cirurgia e lá estava o Edu me acompanhando e me internando super preocupado e querendo que tudo aquilo acabasse logo. Internei na terça a tarde do dia 19 e no dia 20 foi realizada a minha cirurgia. Às 14:30 o Edu já estava no meu quarto me aguardando descer do centro cirúrgico. Foi um alívio tão grande ouvir a voz dele, aquilo me fez sentir muito protegida e amada.

Tive alta no dia 21 e lá estava o Edu me buscando para cuidar de mim. Fui para casa de dreno, pois retirei 10 linfonodos da axila e foi o Edu quem cuidou de todo o processo porque eu não tinha coragem de olhar🤭

Essa caminhada não é fácil, mas ele está a todo momento ao meu lado, me apoiando, me dando forças e ânimo para eu não desistir, pois já pensei em desistir algumas vezes, mas ele sempre pegando minha mão e me surpreendendo.

Quando faço quimio, ele não pode entrar no hospital devido ao covid, então ele fica lá fora na grade me olhando na sala de espera. Ele não sai enquanto não entro para a quimio.

A prova mais linda de amor é essa, pois não vemos muitos homens acompanhando suas namoradas, noivas ou esposas, e ele me surpreende a cada dia com o amor dele por mim!!

Sou grata a Deus por ter colocado ele na minha vida, pois Deus sabe exatamente a hora e o momento certo de cada coisa, e o Edu chegou no momento certo!!!”

Ivone Dapare Pilon

“Nossa história de amor é um pouco engraçada. Através de uma tia minha, conheci minha sogra. Fazia um bom tempo que eu não tinha namorado e, um belo dia, fui até a casa dessa minha tia Marlene, pois era aniversário dela. Fomos eu e minha mãe para cumprimenta-la, teria um lanche da tarde com umas amigas dela.

Num certo momento minha tia olha para a amiga e diz: ah você tem um filho que poderia apresentar pra minha sobrinha, né? Ai ela ficou interessada, na hora ela ligou para o outro filho para pegar o email do filho mais velho para me passar. Eu anotei o email, mas apenas para não ficar chato. Chegando em casa, deixei o papel com o email na mesa e esqueci ele la.

Passaram uns 15 dias, minha tia me ligou e disse que a amiga tinha perguntado se eu havia enviado o email para o filho dela. Eu disse que não, então minha tia insistiu para eu enviar e, naquele mesmo dia, eu resolvi mandar o email, afinal o que eu iria perder?

No outro dia ela me ligou perguntando e eu disse que enviei o email, mas que o endereço estava errado, pois o email tinha voltado. Ela então ligou pra amiga e depois me retornou com o email certo. Eu então reenviei.

No dia seguinte, eu curiosa, fui ver minha caixa postal e lá estava a resposta do rapaz. Confesso que eu não imaginava que ele iria responder, mas ele respondeu. Eu fiquei feliz porque na pior das hipóteses eu ganharia um amigo. E nós conversávamos todos os dias por msn, era muito legal, ele me fazia me sentir feliz, alegre por ter alguém pra conversar e de repente rolar algo a mais.

Ficamos conversando por 1 mês e depois disso marcamos nosso primeiro encontro, fomos em um shopping, assistimos um filme, comemos, passeamos, conversamos muito. Eu estava muito feliz em ter conhecido ele, e assim fomos saindo quando dava, até que um dia rolou o primeiro beijo e ai ja estávamos namorando.

Depois de 2 anos decidimos que não queríamos nos separar mais, ai então resolvemos nos casar. Nos casamos e quando estávamos pensando em ter filhos, veio o Cancer de mama. Foi um choque, mas eu sempre digo que Deus coloca as pessoas certas em nosso caminho e meu marido é essa pessoa.

Ele ficou do meu lado sempre, me acompanhou em todas as quimioterapias, me deu forças quando eu fraquejava, mesmo ele também estando com medo, ele nunca largou minha mão e nunca deixou de me apoiar e me fazer sorrir.

Essa é nossa história e depois do tratamento, por um milagre de Deus, veio nosso filho Benjamin para completar nossa linda família e nossa história de amor🥰🥰🥰”

Edivane da Silva Rodrigues

“Sou a Edivane, estou em tratamento contra o câncer e avançando cada dia um pouco mais em direção à cura, tenho ao meu lado meu marido, o Ari, que tem sido um companheiro, um amigo, que me dá muita força, me acompanha todas as vezes ao hospital e que nunca me deixou sozinha em nenhum momento. Ele me faz acreditar que vou vencer e me ajuda com nossos filhos, Arthur de 10 anos e Allana de 5 anos.

Descobrir o câncer em meio a pandemia foi ainda mais difícil. No início de 2020, meses depois que completei 40 anos, percebi que havia algo errado na minha mama esquerda, um cisto não palpável que acompanhava há mais ou menos 10 anos começou a crescer exageradamente e de forma bem rápida. Passei com ginecologista em janeiro para realizar exames de rotina e relatei o que estava ocorrendo comigo, então fui encaminhada para consulta com mastologista.

A consulta foi agendada para o final de março. Foi exatamente quando tudo foi paralisado em razão da Covid-19, inclusive todas as consultas foram canceladas no Hospital do Servidor Público. Nesse percurso, meu marido foi contaminado pelo vírus, minha tensão voltou-se totalmente para minha família.

Certo dia, liguei para o hospital e nada de reagendar a consulta, então relatei tudo que estava se passando comigo na ouvidoria e consegui uma consulta naquela semana, início de julho. Foi minha salvação quando passei com a equipe de mastologia, logo realizei todos os exames e todos os resultados deram inconclusivos. Foram noites e noites de tortura, meu marido e eu nem dormíamos, mas ele sempre me dando todo o suporte psicológico de forma bem positiva, eu longe de minha família, mãe e irmãos que moram em outro estado, então ele foi meu único apoio, pois poupamos as crianças a todo o momento sobre o que estava acontecendo comigo.

O resultado mais temível só se confirmou em dezembro, 30 dias após a retirada do tumor de 6cm, tipo triplo negativo, grau 3. Passamos um Natal bem tenso, pois já estava a essa altura com outra cirurgia para esvaziamento axilar em janeiro, nesta última tive uma complicação (choque anafilático), mas graças a Deus conseguiram me reanimar e cá estou eu contando essa história. Meu marido desesperado, mas sempre me fazendo acreditar que tudo ficaria bem.

Depois de realizadas as cirurgias segui com o tratamento 16 seções de quimioterapia e estou esperando para ser encaminhada para o médico radioterapeuta.”

Sabrina Lopes Cranchi

“Eu e meu marido estamos juntos ha 19 anos. Em 2019, fui diagnosticada com CA de mama, fiz cirurgia e quando iniciei a quimioterapia branca ele teve um problema na coluna, ficou 2 meses praticamente sem andar. Então eu fazia quimioterapia e cuidava dele e do nosso filho.

Depois, quando eu iniciei a quimioterapia vermelha, ele já tinha feito a cirurgia da coluna e estava melhor, aí ele pode cuidar de mim e do nosso filho. Em 2021 fui diagnosticada novamente com CA de mama, não é recidiva e sim outra célula na mesma mama.

Hoje ele cuida de mim, e faz tudo o que é possível, para eu ficar bem e confortável, logo farei cirurgia novamente e ele até pediu licença no trabalho para me acompanhar.

Ficamos doentes juntos, cuidamos um do outro e hoje agradeço todos os dias por tê-lo ao meu lado. Amo meu marido, meu filho e se tivesse a oportunidade de voltar no tempo…..faria tudo exatamente igual.”

Giane Darc Silva de Oliveira Araújo

“Ele não é meu namorado, ele é meu anjo da guarda. Desde o primeiro momento que eu senti que tinha algo errado, ele esteve lá, me abraçou quando eu senti medo, enxugou minhas lágrimas, me segurou forte nas minhas crises de desespero.

Lembro como se fosse hoje o primeiro diagnóstico. Eu não conseguia ouvir o médico porque chorava desesperadamente e ele estava lá. Eu conseguia ver o medo no olhar dele, mas ele estava firme porque ele sempre se mostrou forte pra poder me salvar dessa escuridão a qual eu me enxergava.

Finalmente chegou o primeiro dia da quimio e ele estava lá. Eu tirei uma foto e falei: hoje você vai estar aqui do meu lado e até o final já foi embora.

Como fui boba e insegura naquele dia. Já se passarão 6 meses e ele está em todas as quimios, todas as consultas, todos os dias lutando comigo, sonhando comigo o dia que vamos comemorar minha cura.

O que mais me deixa totalmente impressionada é que ele nunca usou a palavra sua doença ou seu tratamento, sempre fala nosso momento ruim, nossa próxima etapa, vamos conseguir…

Eu só agradeço a Deus por ter colocado um pessoa tão incrível que não me deixa desistir, não me deixa ficar pra baixo. Realmente é meu anjo, é meu amigo e o meu amor ❤️”

Adhara Matos

“Foi o destino que me contou que tudo acontece na hora e no momento certo. Descobri que não precisamos procurar o amor, ele nos encontra. Foi assim, em um dia qualquer, com a maior simplicidade que a magia aconteceu.

Um amigo em comum, ele comprometido, eu solteira, um sorriso bastou para que me encantasse platonicamente. Meses depois, um simples “oi” em uma rede social, ele já solteiro, que a vida iniciou uma nova história de amor nas linhas do meu destino.

Com o tempo, essa pessoa especial foi tomando o seu lugar em meu coração, com sua grandeza, presença em todos os momentos, generosidade, amizade, companheirismo, cumplicidade e fidelidade (algo tão raro, afinal ele é raro).

O destino também se encarregou de apresentar uma ligação muito antiga entre nossas famílias, desconhecida por ambos, que exigia fortes laços de afetividade e carinho mútuo. Mais uma vez o destino?! Será?

E Aí? O coração aperfeiçoa o nosso amor, após praticamente dois anos juntos, com um olhar mais profundo: um imprevisto câncer de mama.

Agora sei que o destino é sábio!! O amor da minha vida me dá muitas razões, todos os dias, e também muitas lições…

Não me incomodo e nunca me incomodei em estar careca por conta da quimioterapia, se engodei pelo corticóide e sabe porque? Porque estou feliz, ele me faz feliz, me sinto segura, completa, dona de mim e isso basta! Ele me basta! Me sinto segura e a mais linda de todas as mulheres, ele me faz assim em cada detalhe, em cada olhar, em cada toque!

Amor, a felicidade que brilha em meu sorriso é toda sua, foi ela que abriu esse lindo caminho que trilhamos: O nosso amor!!!!”

Mislaine Tavares Fernandes

“Oi, meu nome é Mislaine e do meu esposo é Marcelo. Em junho de 2019, descobri que teria que enfrentar o tratamento de Ca de mama. Então, meu esposo disse que nós íamos vencer juntos.

Quando eu raspei a cabeça ele raspou também, ele me acompanhava nas consultas, nos exames e quando eu não estava bem ele levava as refeições pra mim, sempre ficava preocupado, chorava comigo…Ele foi um parceirão!!

O apoio que ele me deu me ajudou muito na intimidade, porque tinha vergonha da minha imagem e ele era tão parceiro que fazia de tudo pra eu ficar bem e isso me deixava mais a vontade!

Tenho muito que agradecer a Deus por ter colocado o Marcelo no meu caminho, e dizer que já o amava, mas depois do ca o meu amor ficou ainda maior!!! Até hoje ele me acompanha e faz questão de me aparar sempre. 💕💕”

Eliana Panta de Oliveira

“Nos conhecemos no ano de 1994, ele com 20 anos e eu com 14 anos, após 1 ano de namoro tivemos nosso primeiro filho, dois pais jovens inexperientes, mas cheios de amor. Na época, queríamos casar, mas não foi permitido pelo juiz mesmo com a autorização dos meus pais, então fomos morar juntos.

Depois de 4 anos tivemos nossa segunda filha, sempre amando e respeitando muito um ao outro. Após 9 anos morando juntos, realizamos nosso sonho de nos casarmos com todo o direito de véu e grinalda. Nossos filhos foram os daminhas carregando as alianças. Foi o momento mais incrível de nossas vidas.

Com o nosso filho Lauro com 14 anos e a nossa filha Fernanda com 10 anos, tivemos nosso terceiro filho, Pedro Henrique. Meus filhos sempre foram educados e carinhosos, sempre me senti completa com a minha família.

Quando de repente veio o terrível diagnóstico de câncer de mama, meu marido Fernando sempre cuidou da família, não desamparando em nenhum momento, dando todo suporte e carinho para mim e para os nossos filhos. Hoje, faz 7 anos de tratamento e ele nunca saiu do meu lado, somos muito parceiros e por isso nosso amor só aumenta, não tenho como agradecer o cuidado que ele tem comigo durante todos esses anos e sempre me dando força.

Hoje, com 26 anos juntos, posso dizer que o nosso amor é como o primeiro dia em que nos conhecemos ou até maior.”

Tereza Florentina De Oliveira

“Eu fui muito bem cuidada pelo o meu marido, mesmo tendo sido difícil pra ele.

Ele sempre esteve ao meu lado para tudo e isso me deixa muito feliz!”

Eliane Domingos Amadeu

“O teu amor é perfeito, Lazaro… Você é meu companheiro, meu namorado, esposo, meu irmão na fé… Você é o maior presente que Deus poderia me dar.

Quando o homem e a mulher se unem na consumação do casamento, eles se tornam uma só carne. Estão unidos, fisicamente e espiritualmente. Já não são duas pessoas independentes, são uma família. Se tornar uma só carne é criar um elo espiritual muito forte.

Deus me reservou algo tão valioso e perfeito que mesmo que eu tente agradecer pelo resto da vida, nada seria perante o que ganhei. E você sabe o que ganhei? Ganhei seu amor, seus beijos, carinhos, e o melhor de tudo, ganhei você , meu companheiro de luta contra o câncer.

Simples e unicamente você, o amor da minha vida! O único verdadeiro amor da minha vida. Te amo hoje e sempre! Feliz Dia dos Namorados! 😘😘 Aos nossos 10 anos de casados 👫👏👏 Somos gratos a Deus por tudo”

Glaucimara Duarte Lisboa Fernandes

“Nos conhecemos fazendo caminhada, ele era o professor. Foi encantamento a primeira vista. Naquele mesmo dia, nos seguimos nas redes sociais e começamos a conversar. Não demorou pra que nos apaixonássemos.

Ele me incentivou a prestar concurso público, me ajudou nos treinos pro teste fisico e foi o primeiro a comemorar comigo quando passei. Fevereiro de 2020 estávamos vivendo o melhor período de nossas vidas. Eu empregada, super animada com o trabalho, nós de casamento marcado pra novembro. A pandemia veio e nos desestabilizou.

Tudo fechou, incluindo a creche onde trabalhava. Fiquei muito triste, mas consciente dos planos de Deus em nossas vidas. Final de maio de 2020 percebi algo estranho no meu seio, falei com ele que me tocou e logo se preocupou. No início de julho de 2020 recebia o diagnóstico de câncer de mama, meu mundo caiu, mas ele sempre ao meu lado, me ajudando a me reerguer.

Ele me acompanhou em todas as consultas, todos os exames, todas as quimioterapias, cirurgia e agora as radioterapias. Tivemos que remarcar o casamento duas vezes por conta do tratamento e da pandemia. E esse ano, no dia 12 de junho, dia dos namorados, realizamos o sonho de nos casar.”

Ana Da Costa Mendonça

“Eu e Tadeu, hoje meu esposo, nos conhecemos há um tempão, pois trabalhávamos juntos. 2017 começamos a nos aproximar muito e claro que o sentimento foi crescendo e logo estávamos namorando.

Em 2019 começamos a planejar nosso casamento, mas em janeiro de 2020 apareceu um nódulo na mama e começamos a investigação. Então, descobri o câncer, iniciei a quimioterapia e ele do meu lado mesmo eu deixando ele livre para sair do relacionamento. E, graças a Deus, ele não desistiu de nós.

Com o casamento todo pronto e mesmo careca com dois dias da última quimioterapia, nos casamos numa cerimônia simples apenas para a família, pois o nosso sonho de passar a vida juntos foi bem maior que todo sofrimento causado pelo câncer.”

Larissa Pereira de Assumpção

“Tive linfoma a 1ª vez em 2014…estava casada com meu 1º marido, morava em outra cidade, e quando descobri o câncer, resolvi fazer o tratamento na minha cidade natal perto da minha família.

Então, por causa da distância, meu casamento foi ficando cada vez mais desgastante ate que, quando terminei as quimios, meu casamento também terminou. Então, em 2016, voltei a trabalhar e estava solteira, isso em março, ate que conheci meu atual marido.

Começamos a namorar e, em setembro, descobri que estava grávida ..minha gestação correu tudo bem ate que meu filhote resolveu vir antes e nasceu prematuro de 7 meses..foram 4 meses com ele no hospital nesse tempo e comecei a sentir sintomas da doença novamente..tive uma recidiva do linfoma..

Comecei o tratamento 4 meses no hospital e meu marido sempre do meu lado o tempo todo..um companheiro que jamais imaginei encontrar.

Enfrentamos juntos a doença, ele me ajudou a enfrentar também o luto pois quando terminei as quimios perdi meu pai e meu filho, entao com 5 meses…

Tive que lidar com a depressão e com a expectativa do transplante que realizei 1 ano após o término das quimios…e estamos juntos ha 5 anos. Meu companheiro, meu porto seguro..enfrentamos muita coisa juntos, sempre um do lado do outro!!”

Marthinha

“Em 2004, aos 35 anos, 1 filha de 8 anos, descobri um ca de mama em fase inicial. Fiz todos os procedimentos: cirurgia (mastectomia total), quimio, radio e imunoterapia. Tinha um relacionamento de 4 anos e fui abandonada ainda no diagnostico.

1 ano e meio depois, conheci meu atual marido. Uma benção na minha vida. Nunca me rejeitou ou cobrou pelo fato de eu estar mutilada, ao contrario, sempre foi companheiro, amigo e o melhor “paidrasto” como diz minha filha.

Hoje, 17 anos depois do câncer, sigo curada, sem recindiva, não fiz a reconstruçao e nem vou fazer. Sou muito feliz e me sinto completa em todos os sentidos. Tenho o melhor marido do mundo. Obrigada por tudo meu amor.”

Publicado em Deixe um comentário

CATS LOVE

Cats, precisamos da ajuda de vocês!

Estamos finalizando a nossa Campanha – CATS LOVE e, com muita dificuldade, selecionamos três histórias de amor de Cats e seus companheiros para receberem a premiação.

Chegaram 26 histórias incríveis, emocionantes e que nos tocaram bastante. Todas são merecedoras do carinho e amor que receberam de seus companheiros e aceitem o nosso beijo e um abraço apertado também.

Encaminharemos a todas um lindo mimo preparado com muito carinho pela nossa equipe IQeB.

Mas, são vocês que vão escolher a ordem das finalistas, 1º, 2º e 3º lugares.

No link abaixo vocês podem ler as histórias, comentar e deixar o seu voto. (Facebook e IG)

As histórias classificadas, por ordem de recebimento do formulário, são das Cats: Jordana, Andréia e Lis. Votação até dia 29/06.

Jordana Marques

“No dia dos namorados em 2011, eu e o Rafael fomos a uma balada que tinha como título “noite dos solteiros”. Lá fomos apresentados por amigos em comum, ele não lembrava de mim, mas eu lembrava daquele lindo alemão dançarino de invernada (grupo de danças tradicionalistas Gaúchas).

No outro dia, já nos seguimos nas redes sociais e a partir daí, semanalmente, combinávamos de ir juntos nas festas, shows, baladas. Rolava um clima, mas não admitíamos, talvez por medo de estragar aquela amizade legal de festas.

Seis meses se passaram e não conseguimos mais conter o que sentíamos. No dia 07/01/2012 tivemos nosso primeiro beijo. Foi lindo e mágico. Nos entregamos inteiramente ao amor reprimido por meses. Logo ele veio morar comigo, um tempo depois adotamos uma filha canina, a Dara, e, em 2016, resolvemos aumentar a família e foi então que a Rafa nasceu, em 2017, para completar o nosso lar.

Viajamos muito, conhecemos vários lugares que sonhávamos desde a infância, realizamos sonhos juntos, formaturas, compra de carro, compra da casa, ganhamos afilhados, sobrinhos e, nosso amor que nasceu de uma amizade, cresceu e prosperou. Tínhamos um casamento dito como perfeito.

Foi então que, em novembro de 2020, em um exame de rotina, eu descobri um nódulo na mama esquerda. Ele foi a primeira pessoa para quem liguei e contei brincando que teríamos mais um filho….Sim, fiquei em choque com aquela imagem na tela da eco mamária, mas levei na brincadeira para não assustá-lo.

No mesmo dia, já falei com a minha médica assistente que solicitou mais exames e, em menos de um mês, estávamos lá. Eu e ele no consultório da oncologista com o diagnóstico pronto: câncer de mama.

Iniciei as quimios no dia 29/12, com ele lá ao meu lado e, desde então, sempre que é possível ele me acompanha em todos os exames, procedimentos, consultas, quimios….

Sou muito agradecida de ter ele ao meu lado nós últimos 10 anos, mas muito mais por ter ele nos último seis meses mais difíceis da minha vida, porque ele é a minha base de apoio, meu ombro para chorar, meu companheiro nas horas boas e também difíceis. Amo sem limites e nunca serei capaz de retribuir o cuidado que tem comigo ❤️”

Andréia Rocha

“Em 2001 conheci uma rapaz e eu nem fazia ideia de que ele dividiria comigo tantos momentos da minha vida. Eu e o Ronaldo nos conhecemos em um barzinho – fomos apresentados por amigos kkk – e começamos a namorar. Ele foi o meu primeiro namorado 🥰 ficamos noivos e a vontade de estar sempre juntos nos levou ao casamento 🙏🏾

Depois de 3 anos de casados, engravidamos de uma princesa linda, que hoje tem 12 anos, a nossa menina meiga Nicolly🎀 Ali se realizava o nosso sonho de sermos Pais♥️ Mas, cinco anos depois da Nicolly, viria um anjo que salvaria a minha vida. Engravidei novamente e, desta vez era um menino.

Foi uma alegria muito grande tanto da minha parte quanto da parte do Ronaldo. Estávamos muito felizes até quando chegou o dia do pré natal e teve um momento em que a médica, realizando um alto exame, apalpou um nódulo na minha mama esquerda e, ao investigar, descobrimos que era um câncer.

Sim, eu estava com Câncer e grávida😢 Foi um balde de água fria. O mundo desabou sobre as nossas cabeças. Ficamos desesperados, perdidos, tivemos que encontrar forças um no outro e foi aí que o modo Amor foi ativado mais uma vez ♥️ o meu Amigo, parceiro e Marido esteve ao meu Lado e nós enfrentamos juntos as 10 quimioterapias grávida😢

Todas as incertezas, dores e a nossa vitória juntos, nunca largamos as mãos até o nascimento do nosso amor o Pyetro 💙que veio lindo e esbanjando saúde, e nós estamos caminhando juntos com a graça de Deus até hoje

São 23 anos juntos sendo 16 anos casados e com a certeza de que o Amor venceu! E eu não canso de dizer o quanto eu Amo ele♥️”

Lis Almeida

“Me chamo Lis Almeida, tenho 42 anos, conheci o Edu, de 55 anos, em 2017. Depois de um relacionamento abusivo, eu não queria me envolver pois estava muito machucada por dentro e traumatizada. Mas acabamos nos conhecendo pelas redes sociais de uma amiga em comum e viramos amigos.
Até que nos encontramos e foi muito tranquilo, ele se apaixonou de primeira e eu relutei por alguns meses, até que me apaixonei pela vida dele. E assim nos tornamos namorados e não nos largamos mais.

Em 2018, ficamos noivos e estamos até hoje noivos. Em 2020, no final de julho, descobri o CA de Mama e pedi para que ele me deixasse pois não queria que ele sofresse, e ele me perguntou se fosse ao contrário se eu o deixaria. Claro que disse que não!! E ele pediu para eu não falar mais besteiras que nós seguiríamos juntos nessa caminhada árdua.

Desde consultas a exames, ele jamais deixou de segurar minha mão. Em janeiro de 2021 foi a minha cirurgia e lá estava o Edu me acompanhando e me internando super preocupado e querendo que tudo aquilo acabasse logo. Internei na terça a tarde do dia 19 e no dia 20 foi realizada a minha cirurgia. Às 14:30 o Edu já estava no meu quarto me aguardando descer do centro cirúrgico. Foi um alívio tão grande ouvir a voz dele, aquilo me fez sentir muito protegida e amada.

Tive alta no dia 21 e lá estava o Edu me buscando para cuidar de mim. Fui para casa de dreno, pois retirei 10 linfonodos da axila e foi o Edu quem cuidou de todo o processo porque eu não tinha coragem de olhar🤭

Essa caminhada não é fácil, mas ele está a todo momento ao meu lado, me apoiando, me dando forças e ânimo para eu não desistir, pois já pensei em desistir algumas vezes, mas ele sempre pegando minha mão e me surpreendendo.

Quando faço quimio, ele não pode entrar no hospital devido ao covid, então ele fica lá fora na grade me olhando na sala de espera. Ele não sai enquanto não entro para a quimio.

A prova mais linda de amor é essa, pois não vemos muitos homens acompanhando suas namoradas, noivas ou esposas, e ele me surpreende a cada dia com o amor dele por mim!!

Sou grata a Deus por ter colocado ele na minha vida, pois Deus sabe exatamente a hora e o momento certo de cada coisa, e o Edu chegou no momento certo!!!”

Publicado em Deixe um comentário

Cat Brenda Betito

Cats, começamos a semana com esse vídeo cheio de inspiração com a história da Cat Brenda🎀

“Meu nome é Brenda Betito, tenho 24 anos e há 7 meses fui diagnosticada com Linfoma de Hodgkin, subtipo esclerose nodular, estágio 2. Comecei a quimioterapia no dia 05 de outubro de 2020 e terminei dia 16 de março de 2021.

Foi um período muito intenso, cheio de angústias, lidando com os efeitos colaterais e dores provocadas por cada sessão, mas, apesar de tudo, fiz um simples vídeo para mostrar que, por mais que nos sintamos cansados, desesperados e desamparados em alguns momentos, TUDO passa e é possível vencer.

Quero compartilhar essa pequena parte da minha história com a intenção de inspirar outras pessoas a terem forças para lutar, mesmo nos dias mais sombrios. Somos capazes e conseguiremos!”😻

É isso mesmo Brenda, tudo passa, é uma fase que enfrentamos para vencer! Agora é a nova etapa da Vida – recomeço, muito mais interessante e com outro olhar. Gde bj pra vc!💖

Quer compartilhar seu depoimento também, Cat? Encaminhe junto com uma foto para o email [email protected] Unidas, nas nossas histórias e batalhas, nos fortalecemos!

Publicado em Deixe um comentário

Histórias de Cats – Especial Dia Mulher 2021

Adriana Feital

“Meu é Adriana, tenho 43 anos e dois filhos. Descobri um carcinoma invasivo em novembro, mas já estou em tratamento.

Estou fazendo as quimioterapias vermelhas e tenho sido muito confiante na minha cura. Tenho usado minhas redes sociais (@adrianafeital) para ajudar outras mulheres com o câncer.

Isso me faz bem…ser útil a quem precisa! Em breve vou contar a minha vitória, porque meu alimento diário é a fé!🙏

Márcia Menezes

“Me chamo Márcia Menezes (@marcia.menezes.marques), tenho 55 anos, sou casada e moro há 14 anos na Europa, neste belo país que é a Suíça.

Há 5 anos fui diagnosticada com Câncer de Mama e depois de todos os tratamentos possíveis e imagináveis e com o máximo de recursos que se tem num país de primeiro mundo, referência global na busca da cura do câncer e onde o lema é “saúde é direito de todos e dever do estado”, hoje meu diagnóstico é Câncer de Mama com metástase do pulmão e pescoço.

Durante estes anos (desde 2015), fiz duas cirurgias e a segunda, depois da primeira recidiva (já tive quatro recidivas), resultou na mastectomia unilateral, onde tive muitos problemas, incluindo um processo muito sério de Seroma.

Ao longo de todo esse tempo só parei de fazer quimioterapia durante 7 meses e já estou no recorde de radioterapia com 51 sessões, que me fez sofrer muito com as queimaduras que tive. É uma luta diária que tenho que enfrentar.

Em meados de 2016, mais uma notícia aterradora em minha vida. Perdi minha mãe no pior momento da minha quimioterapia. Não pude ir ao enterro, por que caso eu fosse e interrompesse o tratamento naquele instante, iria enterrar minha mãe e a mim mesma. Isso me machucou muito, não poder estar presente nesse momento triste.

Mas apesar do tratamento super pesado e por tudo que já passei até hoje, meu oncologista Dr. Didier Jallut, uma referência na oncologia Suíça, me diz sempre que tenho fome de vida.

Há 3 anos resolvi colocar no papel e contar um pouco da minha história e lancei em janeiro/21 aproveitando a minha ida ao Brasil, meu livro autobiográfico “O único caminho”. Este título foi criado no pensamento que só existe um único caminho para se passar e conseguir enfrentar tudo isso: ser forte e ter fé acima de tudo.

Sempre acreditei e continuo acreditando no lema “enquanto houver 1% de chance, eu terei 99% de fé” o qual eu utilizo como meu mantra diário.

Estou bem, em pé e viva e enquanto houver vida, sempre haverá esperança e é nisso que me apego todos os dias. Costumo dizer que não tenho medo da morte, mas tenho tristeza em deixar as pessoas que amo.

Continuo em tratamento e recebi do meu oncologista de presente de Natal 35 dias sem nenhum tratamento, o que fez muito mais alegre e feliz as férias com a minha família no Brasil.

Todas as pessoas que me conhecem dizem que não tenho cara de doente, o que agradeço a Deus todos os dias. Um dia fazendo quimioterapia, comentei com a enfermeira que estava me cuidando que estava triste, pois durante os 5 anos de tratamento engordei 30 quilos. Ela me olhou e perguntou: D. Márcia a senhora já imaginou se fosse o inverso? Se no lugar de ter ganho, a senhora tivesse perdido 30 quilos?

Depois desse dia deixei de me preocupar com os meus quilos a mais, pois sem eles eu teria sim, uma cara de doente.

Gostaria que todas as “Cats” pensassem sempre de forma positiva, pois para Deus não existe nada no mundo que não possa ser revertido. Um grande beijo e fiquem com Deus!”

Helena Rigues

“Meu nome é Helena, tenho 49 anos, sou casada e tenho uma filha linda de 25 anos.

Em outubro de 2018, recebi o diagnóstico de câncer de mama e confesso que fiquei sem chão. Naquele momento, veio um turbilhão de pensamentos (vou morrer tão cedo, queria tanto ser vovó, queria fazer tantas coisas ainda…), fiquei completamente perdida neles.

A única coisa que perguntei para o médico era se tinha tratamento e ele me respondeu que sim! A minha vontade de viver, juntamente com a minha fé e esperança, veio naquele exato momento!

Conversei com a minha família e tentei ser forte, pra não preocupá-los (até parece que eu consegui, né rsss) e confesso também que chorei aquela noite todinha.

Pela manhã levantei e me preparei pra enfrentar o problemão que viria pela frente.

Fiz a retirada do quadrante, além de 16 sessões de quimio e 25 de rádio. Fiquei careca, inchada, passei mal, senti dores musculares, tive insônia, imunidade baixa, as unhas escureceram e a pele ficou queimada, mas VENCI.💖

Hoje, faço os exames para acompanhamento oncológico a cada seis meses. A luta foi e é grande, mas resolvi passar por esse momento com alegria e otimismo. Bora Viver!!!”💃🏻

Ana Carolina

“Olá, meu nome é Ana Carolina Calixto, tenho 26 anos e em novembro de 2020 eu descobri um câncer de mama.

O meu carcinoma mamário invasivo é o Erbb2/Her2 proteína de progesterona e estrogênio. Mas, para a minha sorte e felicidade, ele estava um estágio inicial, com apenas 1,4cm. Então, no dia 18 de dezembro, fiz a cirurgia de remoção do tumor.

Foi tudo muito rápido. Desde o momento do meu autoexame até a minha cirurgia…graças à Deus. Além disso, o câncer não atingiu a minha corrente sanguínea e nem os linfonodos.

É um choque muito grande quando descobrimos essa doença, ainda mais na minha idade. Você fica se perguntando milhões de coisas e chora horrores. Mas é preciso levantar a cabeça e pensar que você vai conseguir vencer o câncer.

No dia 29 de janeiro deste ano, fiz a minha primeira quimioterapia de um total de 6 sessões. Achei que seria bem pior, mas estou indo bem e graças à Deus está dando tudo certo. Logo logo estarei curada.”💖

Publicado em Deixe um comentário

Paciente comemora última quimio em carro com balões

Cats, não há nada melhor do que comemorar o final do tratamento, não é mesmo? A Aparecida Conceição e Silva, de 59 anos, que venceu o câncer de mama nesta semana, encontrou uma forma super divertida de comemorar esta vitória.

Um carro branco decorado com balões vermelhos chamou a atenção de quem passava pela Avenida 23 de Maio na manhã da última terça-feira (8). No vidro, a frase explicava a razão do buzinaço e da celebração: “Minha última quimioterapia”. A cena foi registrada pela equipe da TV Globo e comoveu os motoristas que percorriam a via.

“Aquilo aconteceu porque foi uma maneira das minhas filhas levantarem minha autoestima, apesar de que estou bem, e comemorar mais uma etapa da químio, que não é fácil. É um dia de cada vez”, afirma Aparecida em entrevista ao G1.

A neta de Aparecida, Isabela Oliveira Serra, participou da organização da comemoração. “Pensei em fazer isso para minha avó porque ela está longe da casa dela, dos parentes e amigos. É uma forma de ela celebrar mais uma etapa”

“E na hora a gente pensou, ligou para a moça das bexigas, compramos bolo para levar par o hospital, para comemorar com as pessoas e aí foi essa alegria desde a hora que a gente saiu de casa, a gente mesmo já saiu buzinando feliz e no meio do caminho muito motoboy e mais pessoas tirando foto e filmando, foi muito legal”, conta a filha Patrícia Carvalho.

Aparecida não esconde a felicidade e a gratidão.

“Foi tudo de bom, graças a Deus, à minha família e aos profissionais do IBCC. Estou muito feliz, muito contente, muito esperançosa. Quero agradecer a minhas filhas, netos e genros, toda minha família, mas essas pessoas que citei sempre estiveram juntinho a mim, choraram comigo, correram comigo e não me deixaram faltar nada. Só tenho a agradecer a eles e a Jesus que me amparou e ampara. É tudo o que tenho.”

Vem conferir o lindo vídeo da comemoração da Aparecida nesse link https://glo.bo/37TW6lh

Publicado em Deixe um comentário

Cat Fernanda Oliveira

Meu nome é Fernanda Oliveira, 38 anos moro em BH e vou compartilhar com vocês minha trajetória de muita luta, superação e grandes vitórias! 

Tive o primeiro diagnóstico de câncer de mama em 2016. Um susto imenso, medo, insegurança e incerteza tomaram conta de mim. Então eu decidi não deixar a tristeza e a negatividade prevalecerem.

Durante o meu processo tentei sempre buscar ver o lado positivo de todas as situações, até as mais difíceis. Graças a Deus tive muito apoio da minha família e amigos sempre ao meu lado em todos os momentos!

Fiz o tratamento com cirurgia (quadrantectomia), quimioterapia (4 vermelhas e 12 brancas), 14 sessões de HERCEPTIN, radioterapia (33 sessões) e Tamoxifeno. Terminei o tratamento em janeiro de 2018.

Ah quanta alegria ver minha vida retomada, de volta o trabalho, minhas aulas de dança do ventre, caminhada, academia, ensaios fotográficos e viagens.

Mesmo estando tudo bem criei o hábito de fazer o autoexame todos os dias, e em um deles percebi um nódulo bem pequeno no mesmo seio em que havia operado. Imediatamente procurei meu mastologista que já solicitou um ultrassom que constatou um pequeno caroço e 3 nódulos. Realizei depois 3 punções e biópsia, aquele frio na barriga e ao abrir o resultado…CÂNCER.

Em junho de 2019 tive recidiva com metástase óssea, hepática e subcutânea. Fiquei careca pela segunda vez, fiz quimioterapia novamente, fiz mastectomia e esvaziamento axilar. Ao terminar o ciclo de 6 sessões de quimio, surgiram novos nódulos, tive que realizar outra cirurgia dia 18 de janeiro deste ano. Atualmente sigo em tratamento, sem previsão de término.

Dia 04/05 venci os meus medos realizei outra cirurgia para colocar o cateter e graças a Deus estou bem. Seguindo firme e confiante sempre.

O que mais aprendi com tudo que tenho vivenciado é viver um dia de cada vez, fortalecer minha fé, ter resiliência, positividade e muita gratidão.

Gostaria de ressaltar também o meu amor pela dança. A dança cura a tristeza e alegra a alma. Eu tentei me manter sempre em contato com a dança durante todo o processo. Quando não tinha condições de fazer as aulas, ia em todos os eventos prestigiar. Mês passado até consegui fazer uma aula online. Uma felicidade sem fim.

O que eu diria para quem vai iniciar o tratamento: Não desistam nunca! A caminhada é longa mas a vitória é certa! Nenhuma tempestade dura para sempre e sairemos ainda mais fortes! “Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses…”(Rubem Alves)

Publicado em Deixe um comentário

Especial Dia das Mães: confira o depoimento da Catmamãe Kaka e sua filha

Chegando o Dia das Mães e trazemos o depoimento da Catmamãe Kaka @katiacris e sua filha Debora, minicat

As duas são pacientes oncológicas e fazem tratamento para combater a doença

Mãe e filha na batalha. Incentivamos uma a outra.
No começo do tratamento da minha filha, houve um incentivo por parte dela pois me assustei muito, não imaginava que a minha filha com 15 anos iria desenvolver uma doença tão cruel, com a qual eu luto há tantos anos. Eu supunha qualquer coisa menos câncer e no dia em que ela recebeu o diagnóstico, eu passei muito mal. Praticamente tive que ser internada. Fui socorrida onde eu estava com ela e já queriam me transferir para o hospital onde eu sou tratada porque realmente perdi o chão e não tive forças. Estava sendo atendida no pronto socorro e recebi mensagens no celular: “Mãe, levanta pelo amor de Deus. Se for assim toda vez que eu vier para o hospital, não vou querer me tratar. Eu preciso que a senhora fique bem.”

Foi então que percebi que não poderia mostrar nenhuma das minhas fraquezas naquele momento, pois seria fundamental para que ela tivesse coragem de iniciar o tratamento. Com esse chacoalhão, pude prosseguir e assumi meu lugar de mãe, dizendo que tudo passaria e daria forças. A princípio nós não nos desgrudamos. Eu não conseguia deixar ela dormir nem no seu quarto, e sim comigo porque queria ficar perto dela durante 24h, sempre que precisasse. Foi muito difícil nos primeiros dois meses, porque ela sentia muitas dores e chorava muito. Mas eu sempre me lembrava da mensagem do começo, que me mantém de pé mediante a tudo o que temos vivido.  

2. Ainda em tratamento, você recebe o diagnóstico de câncer da sua filha adolescente, qual foi sua reação?

Eu não imaginava. Esperava qualquer doença para a minha filha menos o câncer. Me senti culpada porque o tipo de câncer dela é embrionário, ou seja, eu passei para ela no ventre. Primeiro bate um sentimento de culpa, mesmo sabendo que não passei voluntariamente, eu não sabia que tinha essa células. Foi a pior sensação que já senti na vida. Passei por muitos problemas na vida e achava que tinha sofrido muito, mas percebi que não sofri nada. Quando olhei minha filha com o rosto deformado, porque o câncer dela foi no olho,  chorando de dor e eu impotente, além de tentar confortar, passar horas debaixo do chuveiro tentando acalmar, colocando ela embaixo do meu peito tentando acalentar, mas com certeza foi a pior notícia, a pior dor e eu tive meu momento de fraqueza onde achei que não  conseguiria ajudar. Mas com a mensagem dela, que é uma menina muito guerreira, me mandando reagir por ela senão não ia nem se tratar, fui buscar forças por ela e me levantei, continuamos lutando juntas, como deve ser. Eu por ela e ela por mim. É esse o nosso combinado!         

3. Além de todo autocuidado no tratamento, temos agora a preocupação da pandemia do Covid-19, como vcs estão lidando com mais esse fator?                                                                                                                                                           

A questão do COVID-19 não assusta nós que temos câncer há bastante tempo, porque a gente já lida com tantos cuidados, e a princípio, não parecia ser algo tão sério. Mas agora tem sido preocupante, porque ela faz quimio a cada 15 dias e necessita estar internada por passar muito mal, eu a acompanho. Tenho lesões pulmonares então sou fator de risco iminente. Só que, sempre penso que a minha filha precisa de mim e eu preciso dela também, então estaremos bem se estivermos uma ao lado da outra. Sei que ela vai ficar mais tranquila se eu estiver lá. Então a gente tenta tomar todas as precauções de higiene, lavagem das mãos a toda hora e usar máscaras. A reação é viver com medo, mas o amor ainda é maior que tudo isso e não deixei de cumprir com minhas obrigações de mãe e estar com ela, acompanhá-la nas consultas e passar os dias hospitalares na sua companhia. O nosso amor é maior do que o medo do COVID.         

4. O que você destacaria como aprendizado desta luta da sua filha?                                                                                                                             

Meu maior aprendizado, com certeza, é que achava que eu era uma pessoa com uma história de sofrimento que ninguém tinha igual. Acreditava que já tinha sofrido mais do que qualquer pessoa. Quando eu ouvi do médico “a sua filha está com câncer” e tomei conhecimento do resultado do exame com o tipo de tumor, aquilo foi como se meu mundo desabasse. Senti uma dor que eu nunca tinha sentido em toda a minha vida. Foi aí que eu vi que todas as outras dores que eu já tinha reclamado não era nada. Percebi que muitas vezes eu reclamei de dores que eu podia ter me calado, podia ter enfrentado, porque tinha forças para enfrentá-las mas muitas vezes eu chorei e me escondi, achando que era demais para mim, mas não era nada perto da dor de ver um filho sofrer. 

Destaco que se temos os nossos filhos ao nosso lado com saúde, muitas vezes até dando trabalho, que a gente agradeça mais do que reclame, porque ter um filho sofrendo é a pior dor que uma mãe pode sentir na vida. Acho que pior do que vê-lo sofrer é perdê-lo. Mas eu agradeço a Deus por estar aqui, apesar de ter passado por momentos horríveis em coma na UTI e ter voltado, ressignificado a minha vida e entender porque Deus me manteve aqui com tudo isso…havia um propósito por trás de tudo. Meu maior aprendizado é não reclamar, porque existem dores maiores que não posso nem imaginar e nem passei por elas. Tudo que tenho passado é porque tenho capacidade de passar, nao reclamo de mais nada, apenas agradeço por tudo. Esse foi meu maior aprendizado.     

5. A relação de vocês ficou mais fortalecida?                                                                                                                                        

Sim, com certeza absoluta. Nossa relação ficou fortalecida e íntima. Ficou única. Nós já éramos muito próximas e amigas, mas agora somos dependentes uma da outra, nos aproximou mais. Ela voltou a ser meu bebê, porque eu tenho que dar banho, cuidar, passar pomada, enxugar, as vezes sustentá-la com o peso do meu corpo porque não consigo pegá-la  no colo. Consigo perceber quando ela está passando mal e já trago o saquinho, com seu olhar já abro o saquinho sem que ela precise pedir. As vezes ela fala para eu  descansar um pouco porque sabe do meu cansaço, das dores expressas no meu rosto apesar de não precisar revelar isso pra ela.  

Somos cúmplices uma da outra. Não tem preço ter na sua filha a sua melhor amiga. É muito bom, tiro muito proveito!    

6. Qual sua mensagem pra outras mães que estão passando pelo mesmo desafio que vcs?

É muito difícil falar sobre isso. O que eu diria para outras mães…, é uma dor tão grande que não podemos nem mensurar. Porém destacaria o meu aprendizado. Diria para tentar  fortalecer ainda mais a sua relação com o seu filho que passa por isso. Converso muito com outras mães durante o tratamento da minha filha tentando entender o sentimento delas e identificar a reação de cada uma. O que eu poderia sugerir é que continuem se esforçando, pois a situação nos obriga a ser melhores, mesmo com todos os obstáculos que enfrentamos por conta da nossa limitação com o câncer, vira uma formiguinha perto da limitação do nosso filho. Pode ser até menor do que a nossa, mas um filho precisa da gente e nos transformamos em um leão para proteger a cria,  mesmo machucada e debilitada. A mãe não sai de perto da cria, não larga. Digo para todas as mães que vão ler essa entrevista: fiquem perto dos seus filhos o máximo de tempo possível e deem o melhor de si, porque podemos muito mais do que imaginamos! 

Muito obrigada. 

Publicado em Deixe um comentário

Vencedora do Oscar luta contra câncer terminal

Se você assistiu ao Oscar, com certeza deve ter visto uma Cat maravilhosa subindo ao palco para receber um dos prêmios da noite.

Essa mulher incrível se chama Julia Reichert, de 73 anos, e venceu o Oscar de melhor documentário por “Indústria Americana“. Ela está em uma luta contra o câncer na bexiga há um ano e meio.

Em uma entrevista à imprensa internacional, Julia contou que já venceu o câncer uma vez, mas ele retornou. “Na verdade, é um câncer incurável, é fatal, e estou muito ciente disso. Isso mudou a perspectiva da minha vida de certa forma, quanto ao que é importante. Mas, no final, estou cheia de esperança. Ainda há muitas coisas que quero fazer. Isso me dá a sensação de querer focar minha vida no que trará a mim e às pessoas ao meu redor mais alegria”, contou Julia.

A Cat dirigiu, ao lado do marido, Steven Gognar, o filme “Indústria americana” (Netflix), que foi a primeira produção da Higher Ground, produtora que Barack e Michelle Obama criaram há um ano. Na narrativa, a dupla de documentaristas acompanha as difíceis relações laborais no mundo globalizado.