Publicado em Deixe um comentário

Descubra as vantagens do Tamoxifeno

O tamoxifeno foi um dos primeiros bloqueadores hormonais utilizados no tratamento do câncer de mama. Sua função é impedir que a célula cancerígena perceba os hormônios femininos, bloqueando seu crescimento e causando a morte dessas células.
É um medicamento usado desde a década de 1970, sendo extremamente eficaz e seguro. É certamente o medicamento que mais salvou vidas na história da oncologia.
A maioria das pessoas não apresenta efeitos colaterais do seu uso. De cada 10 mulheres, 7 não têm nenhum efeito colateral. Em geral, quando os efeitos colaterais ocorrem, eles são limitados, se resolvendo em semanas a poucos meses. Os efeitos colaterais mais significantes são as ondas de calor, semelhantes às que ocorrem com a menopausa, o aumento do endométrio (que não causa maiores transtornos na vida da mulher), alteração na menstruação e aumento de risco de trombose em pessoas que têm predisposição ou já tiveram trombose antes (também um evento muito raro). Uma minoria das pessoas pode ter efeitos mais intensos necessitando da troca do tratamento. Isto é extremamente raro.
Não se deve ter medo de usar este tratamento. Como dito anteriormente, são extremamente eficazes contra o câncer de mama com receptores hormonais positivos, aumentando de maneira importante a chance de cura. É um medicamento altamente seguro, tem baixíssimo índice de complicações, que na maioria das vezes se resolvem sozinhas em poucas semanas.
Converse sempre com seu médico!

#cancer#cancerdemama#tamoxifeno#seguro#cura#hormonioterapia#medicina

Publicado em Deixe um comentário

CONHECENDO MELHOR O CÂNCER DE MAMA TRIPLO NEGATIVO POR DR. FELIPE ADES

Cats, essa matéria do nosso diretor científico Dr. Felipe Ades MD PhD – Oncologista sobre câncer de mama triplo negativo está ótima e esclarece muito sobre esse tipo de diagnóstico!! 

?
?

 Confiram!

Câncer não é uma única doença e sim um conjunto de diversas enfermidades que têm comportamentos, localizações, e resposta a tratamentos diferentes. O câncer de mama é um bom exemplo de como os diversos tipos de câncer podem ser diferentes, apenas esta doença hoje é dividida em 4 subtipos. São eles os cânceres luminais A e B, o câncer HER2 positivo e o triplo negativo.

O câncer de mama conhecido como triplo negativo tem características bem diferentes dos demais cânceres de mama. A cada 10 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, duas terão o tipo triplo negativo. Em geral estes são cânceres que se formam nas células dos ductos por onde passa o leite materno, e têm como característica o crescimento acelerado das células cancerígenas.

O nome triplo negativo é dado pela análise de algumas características do câncer de mama que estão ausentes nesta doença. Sempre que se faz o diagnóstico de câncer de mama é necessário avaliar se a doença apresenta moléculas conhecidas como receptor de estrogênio, receptor de progesterona e receptor HER2. Nenhum destes 3 receptores está presente neste tipo de câncer de mama, por isso são chamados de triplo negativo.

Muito progresso tem sido feito na compreensão dos mecanismos de desenvolvimento e diferenciação do câncer de mama.

Nas células normais, estes receptores funcionam como antenas que percebem os hormônios e fatores de crescimento que circulam normalmente pelo organismo, e crescem estimulados por eles. Quando células cancerígenas apresentam estes receptores elas crescem de maneira descoordenada e com muita velocidade quando os receptores se ativam. Por isso foram desenvolvidos medicamentos que bloqueiam justamente esses receptores. Para os receptores hormonais usamos medicamentos como tamoxifeno, anastrozol, letrozol, exemestano e fulvestranto; para o HER2 podemos usar o trastuzumab, o pertuzumab, lapatinib e o TDM1.

No câncer triplo negativo nenhum destes remédios pode ser utilizado, pois este tipo de câncer não apresenta os seus alvos. Isto, no entanto, não muda a escolha de tratamento com cirurgia e radioterapia, mas orienta a escolha dos medicamentos a serem utilizados, em geral quimioterapia citotóxica. Como a quimioterapia age atacando as células que se dividem rapidamente ela é o tratamento mais efetivo nesta doença. A quimioterapia no câncer de mama triplo negativo tem melhores resultados que em cânceres de mama de outros tipos. Por vezes utilizamos a quimioterapia antes da cirurgia, com o intuito de reduzir a doença e facilitar a cirurgia. Existe uma boa chance do câncer triplo negativo desaparecer com a quimioterapia, mas mesmo assim é necessária a cirurgia. Caso ainda sobre doença após a cirurgia é possível complementar o tratamento com dose adicionais de quimioterapia no pós operatório para aumentar a chance de cura.

Ainda não existe nenhum alvo para tratamentos específicos contra o câncer de mama triplo negativo. Muitas pesquisas têm sido feitas a procura destes alvos e conforme vamos conhecendo mais a doença, novos e melhores medicamentos vão sendo desenvolvidos.

Publicado em Deixe um comentário

Dois Anos do meu Diagnóstico por Dra. Fabíola La Torre

?
❤

Cats,  se passaram dois anos desde o diagnóstico nossa Cat Master Dra. Fabíola La Torre e ela fez um texto comparando as fases que passou nessa jornada. Vale a pena conferir! 

Dois anos do meu diagnóstico
Câncer. Aquele nome que não deve ser pronunciado. Mais terrível que “Voldemort” é palavra que você nunca espera nunca ouvir. Sim, aconteceu comigo. Aconteceu com minha tia, minha amiga, com meu paciente. E pode acontecer com você. Eu encontrei um nódulo no meu peito D em 2016, durante o autoexame. No meu íntimo, eu sempre soube o que eu estava prestes a enfrentar. Recebi um diagnóstico oficial em junho de 2016: carcinoma ductal invasivo sem comprometimento de linfonodo e fiz o tratamento com quimioterapia de 16 ciclos, rádio e quadrantectomia com reconstrução. A preparação começou, com consultas, exames, perucas, raspar o cabelo e parar de planejar enquanto me preparava para fazer uma grande viagem. Nesses momentos você aprende a viver por um dia de cada vez. Agora avancemos para hoje. Eu acabei meu tratamento, mas tenho mais 10 anos de Tamoxifeno e o mais importante é que eu saí dessa escuridão livre de câncer. É claro que eu na época do tratamento mudei e não fui o mínimo da pessoa que eu era, porque o câncer não dá a mínima para quem você é, é preciso tudo. Ele quer tudo para te deixar livre dele. Dá para entender ? Você tem que se dar bem com o seu câncer e aceita-lo, inclusive aceitar as mudanças que ele faz em sua vida e em sua própria estrutura pessoal, para vence-lo. Para minha família amada, eu nunca poderia recompensá-la pelo que todos vocês fizeram e fazem por mim. Sua benevolência em doar amor significa o mundo para mim. Eu vi uma vitória para Fabíola La Torre e uma derrota para o câncer. E com isso eu quase voltei ao meu antigo eu…eu disse quase.
Porque após um diagnóstico de câncer, nada mais será como antes, inclusive você.

Publicado em Deixe um comentário

Diagnosticada com câncer de mama – Mas e os meus cabelos???

Cats, a nossa Cat Master Dra. Fabiola La Torre traz um texto super legal sobre suas opções ao ficar careca, onde ela explica, através de sua experiência própria, como foi.

“Olá , Lhennnnndassss

Venho com esse post contar um pouco para vocês como eu me virei ao ficar careca.

Sabe, aquela história de que somos mais fortes do que imaginamos é a mais pura verdade.
Quando recebi o diagnóstico de câncer não foi fácil, pois com ele surgem inseguranças e dúvidas. Tive que enfrentar os efeitos colaterais do tratamento, dentre eles, a queda de cabelo.
Meus cabelos sempre foram meu glamour mulher até porque sabemos que eles emolduram nossa face. A maior parte das pessoas consideram essa a pior parte da quimioterapia, pois a perda de cabelo acaba afetando sua própria identidade.

Também conhecida como alopecia, a queda de cabelo ocorre porque a quimioterapia atua tanto nas células cancerígenas como nas saudáveis, atingindo principalmente as células que se multiplicam com mais rapidez, como os folículos pilosos, responsáveis pela produção dos cabelos. Além da perda dos cabelos, a quimioterapia faz os pelos do corpo caírem também. Ou seja, a gente vira uma lagartixa. Definitivamente, não dá para se sentir bonita nem sensual, não é?

No geral, entre 16 e 21 dias após a primeira sessão de quimioterapia os cabelos se desprendem. Eles podem se soltar aos poucos ou em grandes chumaços, inclusive causando dor no escalpo. E olha, vou contar para vocês: nossa, como dói.

Por isso, a minha melhor dica é raspar antes de os cabelos começarem a cair de fato, porque diminui bastante a dor. Além disso, foi muito angustiante a sensação de ver meus cabelos caindo aos poucos e em chumaços.

Mas, não é preciso sair desesperada e raspar assim que se tem o diagnóstico. Dá para aproveitar um tempo ainda com os cabelos e, sobretudo, economizar as perucas e as próteses que serão usadas depois.

E prestem atenção: em dois ou três meses após a quimioterapia acabar, seu cabelo voltará a crescer. Esse novo cabelo poderá ter a mesma aparência do anterior ou alterar-se um pouco.

Vou listar aqui algumas dicas de como lidar com a queda de cabelos:

  • Nunca se esqueça de consultar seu médico e perguntar se o seu tratamento poderá gerar queda de cabelo.
  • A utilização de xampus e loções especiais não evita que os cabelos caiam.
  • Cortes de cabelo: corte o cabelo curtinho ou raspe. Isso ajuda a lidar
    melhor com a situação, uma vez que é possível perceber melhor a queda sem um grande impacto.

É doloroso perceber seus fios de cabelo no travesseiro, nas roupas, nas mãos, no carro, etc.
Se for raspar a cabeça, prefira um barbeador elétrico a uma lâmina de barbear. Quando for cortar ou raspar seus cabelos, prefira estar acompanhada e, sempre que possível, escolha um profissional acostumado com essa situação.

Durante meu tratamento após raspar meus cabelos, eu usei prótese capilar ou perucas. Isso me ajudou demais. Eu juro, que admiro quem use lenços ou tenha coragem de assumir a carequinha.

Se você acredita que se sentirá melhor com uma peruca, é melhor experimentá-la enquanto ainda possui cabelo. Esse procedimento é indicado para que você mantenha o mesmo tipo de coloração de cabelo, formato e comprimento. Veja se o seu plano ou seguro de saúde também cobre o valor da peruca. Caso contrário, entre em contato com alguma entidade de ajuda ao câncer ou peça orientação ao seu médico, pois ambos podem oferecer uma opção para que você tenha acesso a perucas. Não se esqueça de pedir ajuda também ao seu cabeleireiro, principalmente se tiver um como o meu – o Pedro, que, além de meu cabeleireiro, é meu amigo.

  • Cuidados com os cabelos: seja cuidadosa ao lavar, secar e pentear os seus cabelos. Use um xampu suave, como os de bebê. Lave-os com delicadeza. Seque utilizando uma toalha macia, fazendo leves toques contra o cabelo, e não use um secador. Procure não escová-lo com muita força.
  • Como o seu couro cabeludo pode ficar sensível, não utilize os seguintes itens: sprays de cabelo, produtos para soltar ou relaxar as madeixas, secadores, colorações, bobes e produtos que enrolem o cabelo.
  • Após a perda de cabelo: proteja sempre seu couro cabeludo, pois ele pode se machucar facilmente durante e após a queda dos fios. É essencial evitar contato com o sol e lugares muito quentes ou frios. Sempre aplique filtro solar e use chapéus para proteger o seu couro cabeludo. Tente manter a sua cabeça sempre aquecida com chapéu, gorro, lenço ou outras peças de roupa.
  • Use fronha de cetim, pois a de algodão pode irritar o couro cabeludo. O cetim fornece menos fricção com o corpo e, portanto, é mais confortável.

Os cabelos voltam a nascer em cerca de 90 dias após o fim do tratamento. Em alguns casos, ficam um pouco mais crespos. As modificações estruturais do cabelo depois da quimioterapia acontecem porque a matriz (região que controla a espessura e a simetria da bra capilar) é afetada pelo tratamento. Os fios podem crescer também em ciclos diferentes, primeiramente mais grossos e depois mais finos, o que deixará o cabelo desigual. A diferença no aspecto dos fios decorre da redução da espessura da fibra capilar e da elevada variação na espessura dos os no couro cabeludo do paciente. Após um ano do término do tratamento, a maior parte dos pacientes já está com o cabelo completamente normal.

Lembrem-se de que nós não somos Sansão, portanto, nossa força não está somente em nossos cabelos. Continuaremos em pé e lutando mesmo sem eles. E podemos utilizar os cabelos de outras pessoas. Então, vamos que vamos aproveitar as perucas, próteses capilares e mega-hair.

E COMO FOI COM OS MEUS CABELOS?

Eu estou compartilhando com vocês essa minha experiência em detalhes, porque espero que ela sirva para muita gente. A maioria das pessoas com quem conversei, quando recebeu o diagnóstico, saiu correndo para cortar ou raspar os cabelos ao som de uma música bem triste.

Nesse sentido, sinto-me afortunada por ter sido bem orientada pelo meu amado cabeleireiro e amigo Pedro Porciúncla (“Pedroca”). Ninguém mais, ninguém menos que ele para me ajudar. Ele foi a primeira pessoa que soube que meus cabelos originais não ficariam comigo por um tempo. Passei a conversar mais frequentemente com ele para discutir sobre o que fazer quando meus cabelos começassem a cair.

Um dia, ele me disse: “Bi, quando você quiser, venha me visitar. Por enquanto, vai aproveitando seu cabelo. Não pense em raspar agora!”.

E, eu aproveitei os meus cabelos enquanto pude. Após 16 dias do início da quimioterapia, meus cabelos começaram a cair mais intensamente. Posso dizer que esses dias antes de a quimioterapia fazer efeito nos meus os de cabelo foram essenciais para que eu me adaptasse à queda deles!

Dia 25 de junho de 2016, a renovação

Além de ser aniversário do meu marido, Mario La Torre Junior, esse dia em 2016 foi muito especial!
Como disse, os meus cabelos começaram a cair, de forma mais intensa, somente após 16 dias da primeira sessão de quimioterapia (ainda antes da segunda sessão).

Houve ainda outro relevante motivo para eu ter deliberado essa renovação: na consulta anterior, recebi a excelente notícia de que, após a primeira sessão de quimioterapia, meu tumor já havia começado a reduzir! Quer razão maior para renovar?

Então, fui até o Pedro fazer um corte. A ideia foi encurtar o cabelo, para ir acostumando com a ideia de não o ter. Depois de cortar, o Pedro já colocou a peruca. Em um primeiro momento, surpreendi-me com o fato de que a gente, paciente com câncer, vai perdendo o medo de coisas bobas e deixa de se estressar com coisas pequenas, pois percebe que algo muito maior existe. A peruca era incrível, pois era muito parecida com o corte que eu estava antes.

Assim, comemoramos o aniversário do meu marido com um almoço maravilhoso, contando com a presença de minha mãezoca.

Alguns dias depois, no dia 30 de junho, eu fui para minha segunda sessão de quimioterapia, desta vez acompanhada de minha mãe e minha irmã, que fizeram questão de vir a São Paulo para estar ao meu lado naquele momento.

Elas notaram que meus lhendos cabelos estavam caindo, caindo, caindo… (Ops, se eu continuar, não paro de escrever, porque caem, caem, caem… rsrs.) Naquele dia, eu tinha uns 35% dos meus os de cabelo.

Naquela tarde do mesmo dia, minha irmã fez duas surpresas para mim. Primeiro, ela levou-me à Hair Look, onde conheci o Carlos Cirqueira, cabeleireiro especializado em perucas e próteses capilares. A outra surpresa foi um presente: uma peruca nova, linda, mais comprida que a outra, uma prótese capilar.

Carlos raspou de vez os meus cabelos e fiquei carequinha. E não, não teve drama, mas foi muito simbólico.

Quando cheguei na Hair Look pela primeira vez junto com minha irmã e minha mãe, sentamos e esperamos o Carlos para nos atender. Logo chegou uma cliente (que depois soubemos que era antiga), com uma prótese toda torta e com a cola se desprendendo. Minha irmã e eu olhamos e ficamos apavoradas, achando que o câncer a tinha deixado louca. Ela estava com roupa de ginástica e com a prótese solta. Depois perguntamos para o Carlos se estava tudo bem com aquela cliente e ele disse assim: “Ah, filha, em uns dois meses você estará chegando aqui e já jogando a sua prótese/peruca no lavatório.”

É bem assim mesmo. A gente se acostuma com tudo. E hoje entendo completamente a maluca com a peruca torta.
Ah, outra coisa: para mim, não há necessidade alguma dos amigos ou familiares também cortarem ou rasparem! As perucas são muito caras!

Atualmente o mundo feminino gira em torno de procurar novas opções e novos caminhos para ficar sempre mais bonita. E com nós mulheres que tivemos ou estamos em tratamento para o câncer não deve ser diferente. Então vou contar um pouco do que fez parte do meu tratamento:

1. Próteses capilares

A prótese capilar é a solução mais moderna e confortável para mulheres em tratamento de quimioterapia e alopécia. Ela é feita com fios de cabelo naturais implantados fio a fio em uma micropele que tem o desenho da nossa linha de cabelo. Diferente da tradicional peruca ela é leve, confortável, permite vida normal podendo dormir e tomar banho.

A peça é fixada com uma micro fita antialérgica transparente colocada somente nas bordas.

Vantagens

  • Melhora a auto-estima, pois o cabelo é a “moldura do rosto” e rejuvenesce.
  • Não há necessidade de ficar tirando a prótese para dormir e tomar banho.
  • Se alguém puxar ou tocar seu cabelo não percebe a peça, pois a fixação é perfeita e não faz ondulações ou volume.
  • É confortável, pois não aperta ou incomoda.
  • Pode praticar esporte, entrar no mar, piscina, ter vida social com naturalidade e segurança.
  • A impressão é de que o fio está saindo do seu próprio couro cabeludo.
  • Não precisa usar franja, você faz o corte de cabelo desejado e pode movimentá-lo para qualquer lado.

Eu usei e abusei das próteses.

2 ) Mega Hair:

Assim que meus cabelinhos já deram para colocar o megahair eu coloquei. Foi uma das melhores sensações da minha vida.

?

Meu primeiro megahair 

  • Os fios são costurados com micro link e a sensação é de que os cabelos estão saindo do seu próprio couro cabeludo.
  • Desenvolveram um método exclusivo para pacientes pós quimioterapia.
  • Lhennnnndas para mim foi um método incrível para amenizar os efeitos da quimioterapia e a técnica que o Carlos criou em 2012 “mega hair pós quimioterapia” .
  • O método é incrível, feito nos primeiros cm de cabelo, super seguro e confortável.
  • O melhor, não agride seus cabelos e você pode ter uma vida normal.
  • É feito uma base de sustentação no seu próprio cabelo para receber o alongamento no msm e trabalhado a cor e o corte, muitas cats já aderiram ao método e ficaram varios meses até os seus cabelo estarem de volta.
  • Eu fiquei com mega por 1 ano e 2 meses.
  • Coloquei um mais curto e um enormeeeeee.

Tirei essa semana pois meus cabelos cresceram bem.

Mas, logo volto a colocar. Rsrs

?

Meus cabelos já .

Publicado em Deixe um comentário

Açúcar pode aumentar o risco de câncer de mama e metástases

Cats, separamos um estudo bem interessante para vocês sobre a influência do açúcar em nosso organismo e como ele pode ter um papel fundamental no desenvolvimento do câncer de mama e nas metástases. Confira abaixo:

Quantidades elevadas de açúcar na dieta típica ocidental podem aumentar o risco de câncer de mama e metástases para os pulmões. Os resultados do estudo dos pesquisadores da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, publicados na edição de 1 de janeiro da revista Cancer Research, demonstraram o efeito do açúcar em uma via de sinalização enzimática conhecida como 12-LOX (12-lipoxigenase). Estudos epidemiológicos anteriores demonstraram que a ingestão de açúcar tem um impacto sobre o desenvolvimento do câncer de mama.

“Os pesquisadores descobriram que em camundongos, a ingestão de sacarose em níveis comparáveis aos de dietas ocidentais levou a um aumento do crescimento de tumores e metástases quando comparado a uma dieta de amido não-açúcar”, afirma o oncologista Antônio Carlos Buzaid, chefe-geral do Centro Oncológico Antonio Ermírio de Moraes (COAEM).

Isto se deve, em parte, ao aumento da expressão de 12-LOX e de um ácido graxo relacionado chamado 12-HETE”, explica Peiying Yang, uma das autoras do estudo, professora assistente de Cuidados Paliativos, Reabilitação e Medicina Integrativa.

Segundo Buzaid, identificar fatores de risco para câncer de mama é uma prioridade de saúde pública. “O consumo moderado de açúcar é fundamental”, acrescentou o especialista.

O consumo per capita de açúcar nos EUA subiu para mais de 100 libras (45 kilos) por ano e um aumento no consumo de bebidas adoçadas com açúcar tem sido identificado como uma contribuição significativa para uma epidemia de obesidade, doenças cardíacas e câncer em todo o mundo.

Métodos e resultados

O estudo investigou o impacto do açúcar na dieta sobre o desenvolvimento de tumores da glândula mamária em vários modelos de camundongos, juntamente com mecanismos que podem estar envolvidos. Segundo os pesquisadores, especificamente a frutose, no açúcar comum, e o xarope de milho de alta frutose, altamente presente no nosso sistema alimentar, foram responsáveis por facilitar a metástase pulmonar e a produção de 12-HETE em tumores de mama. Os dados sugerem ainda que o açúcar induz a sinalização 12-LOX para aumentar os riscos de desenvolvimento de câncer de mama e metástases.

A equipe de MD Anderson realizou quatro estudos diferentes em que os camundongos foram randomizados para alimentação em diferentes grupos de dieta. Aos seis meses de idade, 30% dos animais com uma dieta de controle de amido tinham tumores mensuráveis, ao passo que 50% a 58% daqueles em dieta enriquecida em sacarose tinham desenvolvido tumores mamários. O estudo também mostrou que o número de metástases pulmonares foi significativamente maior nos animais em uma dieta rica em sacarose ou frutose, em comparação com os animais com uma dieta de controle de amido.

Pesquisas anteriores examinaram o papel do açúcar, especialmente a glicose, e sua relação com vias metabólicas baseadas em energia no desenvolvimento do câncer. No entanto, a cascata inflamatória pode ser uma rota alternativa para estudar a carcinogênese impulsionada pelo açúcar, e segundo os pesquisadores, merece um estudo mais aprofundado.

“Não há estudos anteriores investigando o efeito direto do consumo de açúcar no desenvolvimento do câncer de mama utilizando modelos animais de câncer de mama ou examinando mecanismos específicos. Este estudo sugere que a sacarose ou frutose na dieta induz a produção de 12-LOX e 12-HETE em células tumorais de mama in vivo, e indica uma possível via de sinalização responsável pelo crescimento do tumor promovida pelo açúcar”, acrescentaram.

A equipe acredita que o mecanismo pelo qual a sacarose ou frutose na dieta afeta o crescimento do tumor de mama e metástases, especialmente através das vias 12-LOX, merece uma investigação mais aprofundada.

FONTE: INSTITUTO VENCER O CÂNCER

Publicado em Deixe um comentário

Vulgarização da informação: Linfedema e câncer de mama

A querida Marcia Aquino, fisioterapeuta, acupunturista e professora de dermato-funcional, especializada pelo INCa em fisioterapia em Oncologia e Boiética no Instituto Fernandes Figueira, fez um artigo ótimo sobre linfedema e câncer de mama pra gente entender um pouco mais sobre o tema. Confira abaixo:

O linfedema é o acúmulo de líquidos no espaço intersticial devido à reduzida capacidade de transporte linfático por lesões a vasos linfáticos ou linfonodos… Explicando: é um inchaço que pode atingir o braço após a mastectomia radical ou radioterapia.

O diagnóstico do linfedema é feito através da anamnese, ou pelo exame físico. O inchaço do braço, quando não tratado, aumenta progressivamente, assim como aumenta a frequência das complicações a ele relacionadas, como infecções, dificuldade na movimentação do braço, alterações posturais, dor e a perda da autoestima.

  • O tratamento do linfedema consiste em:
  • Cuidados com a pele
  • Drenagem linfática manual (DLM)
  • Contenção na forma de enfaixamento ou por braçadeiras
  • Meias elásticas
  • Cinesioterapia (execícios fisioterapêuticos) específica.

IMPORTANTE: a drenagem linfática deve ser feita por um fisioterapeuta com especialização e conhecimento no assunto. Caso contrário, há riscos de complicação.

10 dicas de cuidados com a pele que devem ser seguidas desde a quimioterapia

  1. Hidrate-se: beba bastante água: você vai escutar muito isso, mas é fundamental;
  2. Use filtro solar com mínimo de FPS 30: o sol, mesmo mormaço somente até as 10h ou após as 16h. Use chapéu ou boné, e invista no protetor solar e um pó compacto com FPS que segura o creme solar. O filtro solar deve ser usado com generosidade e retocado ao longo do dia se você sair de casa;
  3. Hidrate sua pele com um creme que não tenha hormônios, parabenos etc, e com data de validade em dia. Evite usá-lo se ele estiver aberto há muito tempo, pois corre o risco de ter contaminação de bactérias;
  4. Não utilize alicate de unhas, nem tire cutículas, pois isso é uma porta para infecções;
  5. Não faça as unhas no salão: mesmo que você não tire as cutículas, o esmalte e os outros instrumentos podem conter fungos por serem utilizados em outras pessoas e não termos muito controle sobre isso. Não arrisque-se;
  6. Se você se cortou em alguma parte do braço do lado do câncer ou mastectomia, utilize um bactericida para evitar que infeccione;
  7. Use creme repelente para evitar mosquitos e insetos sempre!
  8. Não use o braço comprometido para a coleta de sangue ou qualquer outra intervenção: fale sempre antes com a enfermeira que você não pode utilizar esse braço;
  9. Converse com sua família e amigos: conscientização, participação e, principalmente, adesão ao tratamento são fatores importantes para o sucesso do resultado;
  10. Procure seu oncologista, mastologista ou fisioterapeuta se você sentir um peso, incomodo ou aumento no volume (inchaço) somente de um lado do braço afetado, ou se notar que esse braço está “mais gordinho”. O linfedema pode ser bem controlado se diagnosticado, tratado e controlado se diagnosticado imediatamente.

Seja feliz e não tenha medo…VIVA a vida!

Publicado em Deixe um comentário

GUENDA

Sou Guenda, tenho 49 anos e estou em tratamento de câncer de mama.
Como tudo começou…
Faço meus exames regularmente e início deste ano (2017) fui surpreendida com um nódulo na mama esquerda. Tinha feito ultrassom em outubro do ano passado e não apareceu. Já na mamografia feita em janeiro deste ano, o danado estava lá. Então vamos investigar!
Repeti a mamografia bilateral e a imagem era a mesma. Humm?
Vamos fazer outra US? Nesse tempo, descobri que o tal de BIRads que sempre via na US e nunca dava importância, é um parâmetro importante para o diagnóstico (a gente só mergulha numa questão quando ela tem algum significado para nós kkk). E esse BIRads, grosso modo, tem uma classificação, BIRads de 0 a 2, sinal verde, vc está ótima! BIRads 3, sinal amarelo, fique alerta! E de 4 em diante, sinal vermelho, câncer! Fui pegar o resultado da US já sabendo disso e na torcida pra ser pelo menos o 3, meu Deus!
O resultado deu BIRads 4C e sabia que não era animador. Confesso que esse foi um momento difícil. Estava com minha mãe, coitada, já atenta tbm ao tal do BIRads, mas enfim, passado o choque inicial, saímos com o pensamento de confiança na espiritualidade, tudo vai dar certo! E parti para a última etapa da investigação. A core biopsy.
Fiz a core biopsy, exame chatinho que dá umas grampeadas pra retirar pedacinhos do tecido do nódulo, dói..Numa dessas, dei um grito que o médico, disse: Eita, esse foi bater no coração, né? O resultado só sai com 10 dias, haja ansiedade. Porém depois do BIRads 4 eu já estava meio que preparada para enfrentar o que viesse.
Engraçado que eu estava num momento de muita mudança em minha vida, abrindo um parêntese para vcs imaginarem como estava meu emocional, um namoro de 7 anos e finalmente resolvemos morar juntos. Ele estava mudando para minha cidade, atravessando o país de mala e cuia e acompanhando tudo à distância.
O resultado da biópsia saiu justamente no dia em que meu amor chegou pra ficar. Combinamos de controlar a ansiedade e só abrir o exame na consulta com a mastologista. Pois bem, no dia seguinte estávamos os dois de mãos dadas no consultório quando a médica nos falou que o resultado foi positivo.
Não desesperei, mas fiquei meio fora do ar por alguns instantes, parecia que estava vendo alguém falar sem som, só o gesto da boca, bla, bla, bla kkk. E olha que pensei que não seria surpresa.Ter alguém junto nesse momento é importante pois além do apoio é muita coisa para providenciar…
Daí começou a maratona de exames para a cirurgia. A médica nos explicou que o tumor estava bem no início e que a cirurgia seria reparadora. E fiz “A pergunta que não quer calar”. Vou precisar de quimioterapia?? Talvez!
Ahh isso me deu mais medo de enfrentar do que a própria doença, mas já cortei as madeixas pra ir desapegando kkk
Fiz quadrantectomia em março/2017 e minha recuperação foi excelente. Alta no dia seguinte, cicatrização ótima.
O material colhido na cirurgia vai para análises, histopatológico e imunohistoquimico. Esses exames é que vão direcionar o tratamento pós cirúrgico. Vamos aguardar os próximos capítulos!!

Publicado em Deixe um comentário

OLIVIA NEWTON-JOHN REVELA QUE ESTÁ COM CÂNCER DE MAMA

Olivia Newton-John, a eterna Sandy de “Grease”, usou as redes sociais nesta terça-feira (30) para revelar que foi novamente diagnosticada com câncer de mama. A cantora foi forçada a cancelar sua turnê pelos Estados Unidos e Canadá e explicou a situação.

De acordo com o comunicado, Olivia incialmente sentiu uma forte dor nas costas e somente depois de exames teve o diagnóstico de câncer confirmado.

“A dor nas costas que inicialmente levou Olivia a adiar a primeira metade de sua turnê acabou se tornando um câncer de mama que sofreu metástase para o sacro [osso na parte inferior das costas]”, diz o comunicado. A nota afirma que a atriz irá passar por sessões de terapias naturais e radioterapia e “está confiante em seu retorno no fim do ano”.

Olivia Newton-John foi inicialmente diagnosticada com câncer de mama em 1992, no mesmo fim de semana em que seu pai morreu de câncer. A atriz conseguiu vencer a doença depois de passar por uma mastectomia parcial, quimioterapia e reconstrução das mamas.

Em 2008, ela abriu uma instituição para ajudar no tratamento de câncer, o Olivia Newton-John Cancer and Wellness Centre em Melbourne, na Austrália.

Confira o comunicado na íntegra:

“Olivia Newton-John está relutantemente adiando sua turnê nas datas de junho nos EUA e no Canadá. A dor nas costas que inicialmente a fez adiar a primeira metade da turnê acabou se tornando um câncer de mama que sofreu metástase no sacro.

Além de terapias naturais, Olivia vai completar um período curto de Terapia de Radiação Fotônica e está confiante em seu retorno no fim do ano para, mais do que nunca, celebrar seus shows.

‘Decidi seguir minha direção de terapias depois de consultar meus médicos e terapeutas naturais e minha equipe medica na Olivia Newton-John Cancer Wellness and Reserche Centre em Melbourne, na Austrália’, diz Olivia.

Não serão permitidas entrevistas nesse momento enquanto Olivia se concentra em seu tratamento e recuperação”.

Publicado em Deixe um comentário

TAI CHI ALIVIA INSÔNIA EM MULHERES QUE TIVERAM CÂNCER DE MAMA

Atualmente, um dos tratamentos mais usados para ajudar mulheres que passaram por um câncer de mama a superar a insônia é a terapia cognitiva comportamental. Esse método consiste em, com a ajuda de um profissional, identificar e mudar pensamentos e comportamentos negativos que afetam a capacidade de pegar no sono. Agora, experts da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos Estados Unidos, realizaram uma pesquisa que aponta um novo caminho: o tai chi chuan.

Essa arte marcial milenar chinesa é um tipo de meditação em movimento: o praticante executa gestos lentos, que exigem concentração, boa postura e respiração adequada. Veja um exemplo no vídeo abaixo:

A avaliação foi feita com 90 voluntárias entre 44 e 83 anos que já tiveram esse tipo de tumor, sendo que todas demoravam para adormecer em pelo menos três dias da semana. Uma parte desse grupo frequentava sessões semanais de terapia comportamental e a outra participava de aulas também semanais de tai chi. Ao final do experimento, as duas turmas relataram melhoras significativas e, surpreendentemente, em proporções semelhantes.

O tai chi chuan não só se provou tão eficiente quanto, em uma investigação prévia dos mesmos pesquisadores, apresentou um benefício extra: controlar inflamações do corpo. Isso, em teoria, reduziria o risco de o tumor voltar.

Os cientistas ressaltam ainda que a maioria das mulheres continuou a praticar o exercício em questão após o fim da análise. “(…) Elas reconhecem que as abordagens de atenção plena, ou intervenções no estilo de vida, podem realmente protegê-las”, interpreta Michael Irwin, líder do estudo.

Fonte: Saúde Abril

Publicado em Deixe um comentário

ESTUDANTES CRIAM PROTÓTIPO DE SUTIÃ QUE “DETECTA SINAIS DE CÂNCER DE MAMA”

Um adolescente mexicano diz ter criado um sutiã que consegue, em até 90 minutos, detectar o câncer de mama em mulheres.

Protótipo de sutiã, que ainda precisa passar por testes médicos, ganhou prêmio internacional para estudantes empreendedores
Foto: Higia Technologies / BBCBrasil.com

Com um protótipo do sutiã Eva, Julian Rios Cantu, de 18 anos, e três amigos, arrecadaram dinheiro para dar começar os testes e ganharam o primeiro prêmio do Global Student Entrepreneur Awards – uma premiação internacional para universitários empreendedores.

A empresa dos mexicanos, Higia Tchnologies, ganhou US$ 20 mil para desenvolver comercialmente o produto.

Mas como um sutiã que detecta câncer funcionaria?

Tumores malignos podem aumentar a temperatura da pele por causa de um aumento no fluxo de sangue para a região onde estão. Biossensores colocados no sutiã Eva tomariam medidas de temperatura periódicas da mulher que seriam registradas em um aplicativo de celular.

O aplicativo, por sua vez, alerta a usuária caso os sensores detectem mudanças de temperatura que possam ser preocupantes.

Seria necessário usar o sutiã por 60 a 90 minutos para ter medições precisas.

O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, parabenizou Julian e seus colegas pelo prêmio internacional para estudantes empreendedores
Foto: Reprodução Twitter / BBCBrasil.com

Ressalvas

Julian afirmou que a ideia de colocar os sensores dentro de um sutiã pode melhorar a precisão das medições, já que os seios da mulher estariam na mesma posição a cada vez que sua temperatura for medida.

Mas, como o protótipo ainda não foi testado, especialistas têm ressalvas em relação a sua eficácia para detectar o câncer.

“Sabemos que tumores costumam ter um sistema anormal de vasos sanguíneos, mas também sabemos que o aumento do fluxo sanguíneo para uma região não é necessariamente um indicativo confiável de câncer”, disse à BBC Anna Perman, do instituto de pesquisa Cancer Research UK.

“É ótimo ver jovens como Julian se envolvendo com ciência e tendo ideias que podem ajudar no diagnóstico, mas uma parte importante da ciência são os testes rigorosos para garantir que uma inovação realmente beneficiará os pacientes.”

Julian quase perdeu a mãe para o câncer de mama quando tinha 13 anos de idade, porque a doença foi diagnosticada tardiamente.

O médico que a acompanhava disse que os caroços encontrados em seu seio não eram malignos, mas ele estava errado. Seis meses depois, uma segunda mamografia revelou o câncer. A mãe de Julian teve ambos os seios removidos.

Depois de pesquisar sobre a doença e seus atuais métodos de diagnósticos, o adolescente teve a ideia, registrou a patente e pediu a ajuda de amigos para administrar a empresa. Eles esperam poder vender o sutiã no fim de 2018.

Depois da experiência com o câncer de sua mãe, Julian decidiu pesquisar novas formas de diagnosticar a doença
Foto: Reprodução Twitter / BBCBrasil.com

Sinais

De acordo com Perman, detectar o câncer de mama em seu estágio inicial pode aumentar muito as chances de sobreviver à doença.

“Nosso conselho é que a pessoa conheça seu corpo, saiba o que é normal para ela e, se vir algo incomum, procure um clínico geral”, diz.

Alguns dos primeiros sinais de câncer de mama são:

  • Caroços na área do peito ou das axilas;
  • Mudanças no tamanho, no formato ou na sensação do seio;
  • Vazamento de fluido pelo bico do seio, que não seja leite materno.

Saiba mais sobre os sintomas no site do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Fonte: Terra