Publicado em Deixe um comentário

Sutiãs para mulheres mastectomizadas

mastectomia é a retirada total ou parcial da mama, é a opção mais segura para tumores extensos. Segundo o Datasus, cerca de 63 mil mulheres fizeram a cirurgia de remoção dos seios para tratamento contra o câncer nos últimos cinco anos.

Não bastasse o baque psicológico e físico das mulheres que passam por tal procedimento, elas ainda esbarram num grande problema, a falta de sutiãs especializados para essas pacientes no mercado. Logo no hospital, algumas pacientes entram em contato com as pesadas e desconfortáveis amostras de sutiãs com prótese. Muitas encontram como solução recorrer ao bom e velho improviso com os sutiãs comuns.

Devido a pouca demanda, há pequeno interesse por parte das empresas em criar linhas para as mulheres mastectomizadas. O que, na verdade, não passa de uma percepção errada, já que, segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, menos de 10% das mulheres que precisam passar pela retirada de mama, saem da cirurgia com os seios reconstruídos.

Em 2016, uma parceria entre a Plié, empresa de roupas íntimas, e o Instituto Oncoguia, organização que oferece apoio e orientação para pessoas com câncer, criou um sutiã desenvolvido a partir das orientações de médicos e tem o objetivo de trazer o máximo de conforto possível sem prejudicar o tratamento.

O tecido utilizado para fabricar o produto passa por um processamento especial, que facilita a respiração da pele e acelera a cicatrização de cortes cirúrgicos. O sutiã também permite diferentes regulagens e tem um bom espaço para o encaixe da prótese. O legal é que parte do dinheiro obtido com a venda será revertido para o próprio Instituto Oncoguia!

Pensando em resgatar a autoestima das mulheres que passam por esse procedimento, a estudante de moda Ana Claudia Nalini, criou uma coleção de lingerie retrô, feita especialmente para este público. Ela alia estilo e conforto e foi inspirado pelo Instituto Quimioterapia e Beleza!!

Com a referência da moda dos anos 50, a linha ganhou um belíssimo ensaio fotográfico com a minha participação e das Cats do Hospital Pérola Byington, especialista mastologia, localizado na capital paulista.

Os médicos especialistas recomendam o uso do sutiã com prótese, a fim de evitar problemas na coluna, já que a falta de uma mama pode fazer com que um ombro fique caído.

Fontes: Vencer o Câncer, Revista Saúde, Catraca Livre.

Publicado em Deixe um comentário

BRITÂNICAS CRIAM SEIOS DE TRICÔ PARA DEVOLVER AUTOESTIMA A MULHERES APÓS CÂNCER DE MAMA

Uma ONG de apoio a mulheres com câncer de mama encontrou uma maneira única para recuperar a autoestima das sobreviventes da doença: seios de tricô. (Assista ao vídeo)

A britânica Sharon Simpson, de 52 anos, vem tricotando próteses desde 2014 ao lado de outras 300 voluntárias.

Intitulada Knitted Knockers (“Seios de tricô”, em tradução livre), a instituição distribui gratuitamente cerca de 300 seios de tricô todos os meses a mulheres que tiveram de se submeter à mastectomia (remoção completa da mama) ou à lumpectomia (quando é retirada uma parte).

Os seios de tricô são uma alternativa às próteses de silicone, criticadas por serem quentes, pesadas e grudentas.

“As nossas são muito mais leves”, orgulha-se Sharon.

A própria Sharon, que é natural da Escócia, mas vive na Irlanda, enfrentou a batalha contra o câncer.

“O câncer de mama não é cor-de-rosa ou fofo; é uma doença horrível e desagradável que muda as vidas das pessoas”, diz ela, diagnosticada em janeiro de 2013.

Sharon já tricotava havia anos e fazia parte de grupos sobre a prática na internet quando, durante o tratamento, descobriu a ONG Knitted Knockers nas redes sociais.

O tricô tinha um papel terapêutico para a paciente, que passava por procedimentos como quimioterapia ou radioterapia.

“Trata-se de uma atividade relaxante”, conta. “Você pode fazê-lo da cama ou do sofá. Quem não ama tricotar?”

Cirurgia

Muitas mulheres, como Sharon, decidem não passar pela cirurgia reconstrutiva.

“É necessária anestesia geral – ou seja, você vai para a faca de novo. Não é algo tranquilo”, acrescenta.

Para ela, a parte mais recompensadora de tricotar seios é ver as mulheres recuperarem a autoestima.

“Para uma mulher, perder um seio é como perder parte de sua identidade”, diz.

“Olhar-se no espelho para ver um seio que ou está desfigurado ou não está mais lá pode ser angustiante”, completa.

Segundo Sharon, as reações de algumas das mulheres que recebem os seios de tricô fazem “todo mundo chorar”.

“Tivemos o caso de uma mulher que só usava camisetas largas. Ela recebeu um dos nossos seios, foi até o armário e o experimentou com cada peça de roupa. Exatamente como ela era antes de se submeter à mastectomia”, lembra.

Os seios de tricô são feitos em diferentes tamanhos, formatos e cores, e podem ter ou não mamilos. Eles são tricotados com fios de algodão e preenchidos com pelúcia macia de brinquedos.

‘Dias sombrios’

Sharon, que trabalhava como radiologista, passou por momentos muito difíceis na luta contra o câncer.

“Nem sempre achei que conseguiria vencê-lo. Tive meus dias sombrios, aqueles em que senti que estava desistindo.”

Em 2018, ela completa cinco anos sem a doença.

“É um marco histórico para mim”, diz. “O que eu vou fazer é focar nos próximos cinco anos”, acrescenta.

“Minha motivação e meu objetivo é melhorar a vida das pessoas que estão sofrendo com câncer e é isso que estou fazendo. Por isso, decidi tricotar seios.”

Fonte: G1

Publicado em Deixe um comentário

MULHERES COM CÂNCER PODERÃO TER DIREITO A RECONSTRUÇÃO DE DUAS MAMAS

As mulheres atingidas por câncer de mama poderão ter direito à reconstrução dos dois seios, mesmo se o tumor estiver restrito a apenas um. Este é o objetivo do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 5/2016, que será analisado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) na quarta-feira (3).

Todas as mulheres já têm direito legal à reconstrução mamária gratuita nos casos de mutilação total ou parcial decorrente de tratamento de câncer de mama. O objetivo agora é que a plástica possa ser feita nas duas mamas, para que se garanta a simetria entre os dois seios.

O substitutivo proposto pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) inova ao impor que sejam obrigados a realizar a plástica também na mama colateral tanto o Sistema Único de Saúde (SUS), como previsto no texto original, como os planos privados de saúde. Segundo a relatora, a reconstrução mamária é um procedimento recomendável, pois a cirurgia de retirada total ou parcial das mamas causa deformidades.

“A mama reconstruída nunca será igual à mama que foi removida, Nesse sentido, procedimentos de redução, elevação ou aumento podem ser indicados para a mama oposta, de forma a manter a simetria entre elas”, disse.

No substitutivo, Marta também aproveitou para incluir, como parte dos procedimentos cirúrgicos de reparação das mamas, as reconstruções da auréola e os mamilos. Segundo ela, essa é a linha adotada pelo Conselho Federal de Medicina, em resolução que trata do assunto, um enfoque que deve ficar claro na legislação.

O projeto altera as normas referentes à cirurgia plástica de reparação das mamas devido a tratamento de câncer. Pelo SUS, a obrigação foi criada pela Lei 9.797, de 1999. No caso do sistema complementar, o procedimento é regulamentado na própria lei que trata dos panos e seguros privados de saúde (Lei 9.656, de 1998). A plástica reparadora deve ser realizada, sempre que possível, no mesmo tempo da cirurgia de retirada da mama (mastectomia). Caso aprovado, o projeto segue para análise do Plenário.

Diagnóstico de câncer

Também deve ser analisado o Projeto de Lei do Senado (PLS) 583/2015, da senadora Lúcia Vânia (PSB-GO), que busca assegurar a realização de ultrassonografia mamária, no âmbito do Sistema Único de Saúde. O exame, que só pode ser feito por solicitação médica, vai auxiliar no diagnóstico de mulheres jovens com elevado risco de câncer de mama ou que não possam ser expostas à radiação e como complementação ao exame mamográfico, para mulheres na faixa etária de 40 a 49 anos de idade ou com alta densidade mamária.

A reunião da CAS deve ocorrer na sala 9 da ala Alexandre Costa.

Fonte: Senado

Publicado em Deixe um comentário

MAIÔ PARA AS CATS MASTECTOMIZADAS

Estilistas finlandesas criaram uma série de trajes de banho superbonitos destinados especificamente às mulheres que perderam um seio para ocâncer de mama.

Os “monokinis” são fruto da imaginação de Elina Halttunen, uma mulher com “apenas um seio e uma paixão por natação”. “Ter apenas uma mama torna o ato de encontrar biquínis que se encaixam difícil. Portanto, eu criei meu próprio monokini”, conta Halttunen. “Eu pensei que talvez houvesse outras mulheres como eu, que queriam trajes de banho que não as fariam se sentir como se estivessem faltando uma mama”.

Haltunnen uniu forças com a dupla finlandesa formada por Vilma Metteri e Katriina Haikala, um duo artístico chamado de Tärähtäneet ämmät, para criar os produtos de banho da marcaMonokini 2.0.

O fato é que muitas mulheres que tiveram um seio removido devido ao câncer de mama não desejam fazer uma cirurgia de reconstrução. Em vez disso, elas querem continuar vivendo com um seio, ou mesmo sem nada. “Queremos mostrar que você pode ser inteira, bonita e sexy mesmo com apenas um peito ou sem peito”, argumenta Haltunnen.

As modelos das fotografias são todas as mulheres que passaram por operações de mastectomia por conta do câncer. Elas entraram em contato com a equipe do Monokini 2.0 depois de ver imagens dos produtos na internet.

Uma das modelos disse: “Em minha jornada longa e às vezes difícil com câncer de mama, o projeto Monokini 2.0 tem sido uma experiência incrível. Espero que a minha imagem dê força, fé e coragem para as mulheres passaram por mastectomia: a feminilidade não é só sobre os seios (ou não tê-los). Espero que no âmbito deste projeto, a discussão destes assuntos se torne mais fácil e mais natural”.

As fotos serão expostas na Noruega, Finlândia e Suécia. A equipe da marca está lançando uma iniciativa para financiar o projeto através de crowdfunding. [BuzzFeedIIHIH,TR]

Fonte: Hypescience

Publicado em Deixe um comentário

REABILITAÇÃO FUNCIONAL PÓS MASTECTOMIA

O período de recuperação de pacientes em tratamento é muito importante e varia de acordo com as características individuais, a extensão da doença e o tratamento recebido.

A prática de exercícios físicos após a cirurgia ajuda a restabelecer os movimentos e a recuperar a força no braço e no ombro. Auxilia, também, na diminuição da dor e da rigidez nas costas e no pescoço.

Os exercícios são cuidadosamente programados e devem ser iniciados tão logo o médico autorize, o que costuma ocorrer um ou dois dias após a cirurgia. Inicialmente, os exercícios são leves e podem ser feitos na cama.

Gradativamente, passam a ser mais ativos e devem ser incorporados à rotina diária.

No hospital, no dia seguinte ao da cirurgia

Mantenha o braço 20 cm afastado do corpo e a mão, punho e cotovelo do lado operado apoiados sobre um travesseiro, de modo a ficarem mais altos que o ombro para evitar inchaço e diminuir a tensão.

nicie movimentos suaves de dedos, punho, cotovelo e ombro assim que seu médico permitir. Faça 10 séries em cada articulação, 3 vezes ao dia. Se você fez a reconstrução, movimente tudo menos o ombro, faça também movimentos com pé e joelhos e eleve de vez em quando o quadril.

Respiração profundaÉ necessário e saudável praticar respiração profunda para aumentar a movimentação do tórax, ajudar no relaxamento e na redução de tensões do corpo e mente:

  • Deite-se de costas, respire normalmente 3 vezes.
  • Respire profundamente enchendos os pulmões com o máximo de ar que puder. Segure o ar por alguns segundos e relaxe. Imagine suas tensões e preocupações saindo com o ar exalado. Repita 5 vezes.
  • Respire 3 vezes normalmente para finalizar.

No hospital

Você pode permanecer de 2 a 5 dias internada, período em que pode ficar com as pernas flexionadas e elevadas no leito, conforme orientação médica. É importante não forçar o ombro do lado operado nos primeiros dias, mas cotovelos e mão podem ser movimentados normalmente.

Para não sentir dores nas costas, dobre e estique as pernas sempre que puder. Você pode levantar e abaixar o quadril mantendo os joelhos flexionados de forma a aliviar a pressão nas costas na cama.

Em casa

Procure fazer exercícios somente com os braços, deixando o restante do corpo relaxado. Respire profundamente. Quando sentir algum desconforto, relaxe um pouco antes de continuar os movimentos. Se possível faça os exercícios diante de um espelho, pois assim você terá uma melhor visão de si mesma. Faça os exercícios duas vezes ao dia e aos poucos. Aumente o número de repetições, começando por 5 até chegar ao máximo de 15 vezes.

Fique de pé, procure deixar a cabeça reta, os braços soltos ao lado do corpo. Separe os pés um pouco e procure deixá-los um ao lado do outro. Deixe as costas retas, alinhadas e relaxadas, encoste a nuca e as nádegas na parede.

Movimentos de relaxamento

Movimento pendular: em pé, próxima de uma parede, dobre seu corpo até que o braço do lado não operado encoste-se à parede com um apoio. Solte bem o outro braço e balance para frente e para trás, de um lado para outro.

Girando a cabeça: deixe os ombros e braços bem soltos do lado do corpo e gire a cabeça imaginando desenhar um círculo bem amplo com o topo da cabeça, para um lado e para outro. Repita 3 vezes para cada lado.

Girando o ombro: em pé, deixe os braços soltos e gire o ombro imaginando desenhar um círculo. Primeiro para frente e depois para trás. Repita o exercício 3 vezes para cada lado.

Movimentos de abertura

Elevando o braço:

Fique em pé próximo à parede, mas não muito perto dela. Toque a parede com os dedos do lado operado e vá subindo 3 vezes, com movimento dos dedos, lentamente, até o ponto máximo que você conseguir, conte até 10 e abaixo o braço.

Abrindo o braço:

Fique em pé, coloque o braço do lado operado voltado para a parede. Vá subindo com os dedos até o ponto máximo que você conseguir, conte até 10, e coloque o braço no ombro contralateral, descanse.

Alcançando a orelha oposta:

Fique em pé com as mãos ao longo do corpo. Coloque a mão do lado operado sobre a cabeça, tente alcançar a orelha do lado oposto passando o braço por cima da cabeça. Conte até 10, relaxe.

Alcançando as costas:

Coloque o braço nas costas. Mantendo-se reta, dobre o cotovelo, levando a mão para cima e para baixo.

Eleve os braços estendidos lateralmente até a altura dos ombros. Com a palma das mãos para cima, dobre os cotovelos tentando colocar as mãos na nuca.

Eleve o braço lateralmente com a palma da mão para baixo. Tente alcançar o ombro do lado oposto, mantendo o cotovelo na altura do nariz.

Polia:

Passe uma corda ou barbante por cima de uma barra de chuveiro, varal ou sobre a porta. Sente-se e segure as pontas com as mãos, estique-as para frente, puxe alternadamente, para cima e para baixo, ajudando a abrir o braço afetado com o braço bom. Também pode ser feito com os braços esticados ao lado do corpo.

Bastão:

Segurando o bastão em frente ao corpo, eleve os braços até a altura dos ombros. Volte à posição inicial.

Segurando o bastão atrás do corpo, dobre os cotovelos lateralmente, levando-o até a altura da cintura, sem dobrar os punhos. Volte à posição inicial. Deixe o bastão sempre bem junto ao corpo.

Segurando o bastão em frente ao corpo, eleve os braços sem dobrar os cotovelos, até acima da cabeça. Dobrando os cotovelos lateralmente, tente colocar o bastão na nuca.

Amassando a bolinha:

Você pode ficar de pé ou deitada com os braços elevados acima do ombro. Este exercício pode ser feito a qualquer hora do dia.

Na posição de sua escolha, aperte uma bolinha de borracha 20 vezes (2 vezes ao dia) contraindo todos os músculos do braço. Mantendo por três segundos cada contração.

Exercícios especiais

Deite-se, entrelace os dedos das mãos, mantendo os cotovelos esticados. Eleve os braços a partir da barriga até o chão no alto da cabeça, pare nesta posição, respire fundo, conte até 5 e volte. Repita 10 vezes.

Deite-se de lado com o braço operado para cima ao longo do corpo e a mão encostada no quadril. Levante o braço até tocar o chão acima de sua cabeça. Pare com a mão nesta posição, conte até 5 e volte. Repita 10 vezes.

Atividades da vida cotidiana

Higiene:

Pentear os cabelos ajuda muito na recuperação. No começo, se este movimento, for difícil, faça-o sentada, apoiando o cotovelo em uma mesa, para aliviar o peso do braço. Com o tempo faça sem o apoio.

Vestuário:

Comece sempre vestindo uma blusa ou camiseta pelo lado operado, tendo o outro braço como ajudante. Para despir, deixe o braço do lado operado por último.

Procure carregar a bolsa do lado que não foi operado. É importante não carregar muito peso.

Atividades domésticas:

Ao lavar e pendurar roupas, comece com as peças leves como meias, lenços e calcinhas, aumentando o volume aos poucos, mas fazendo tudo sem pressa e com atenção.

Ao passar roupas, faça com o lado operado com muito cuidado para não se queimar. Se o braço cansar, pare e descanse.

Trabalho e lazer:

Os trabalhos manuais podem ser realizados desde que os braços sejam movimentados a cada 20 minutos para que relaxem.

Esporte:

Com a movimentação do ombro normalizada, pratique alguns esportes como hidroginástica, natação, ioga, danças de salão e ginástica. Todos com intensidade moderada.

Desenhos: Vera Liebing

Fonte: Oncoguia

Publicado em Deixe um comentário

INSTAGRAM DESATIVA PERFIL DE ONG QUE TATUA MULHERES MASTECTOMIZADAS

No último fim de semana o Instagram excluiu a página Pink Ink Fund, de uma ONG norte-americana que oferece tatuagens a mulheres que foram submetidas à mastectomia. Após receber inúmeras críticas dos internautas, a rede social reativou o perfil na manhã desta terça-feira (17) e pediu desculpas pelo erro.

Em entrevista ao ‘BuzzFeed‘, a administradora da conta, Amy Black, disse que sempre teve cuidado com as fotos compartilhadas, buscando ressaltar que a pessoa na imagem é uma sobrevivente do câncer de mama ou que a tatuagem foi feita após a mastectomia.

Logo depois da desativação da página, Black respondeu ao Instagram que aquilo era um erro e apresentou um relatório com a justificativa. No entanto, a rede social enviou um e-mail afirmando que não iria reativar a conta por conter “conteúdo sexualmente sugestivo e nudez”.

A ONG tem como voluntários cirurgiões plásticos e artistas que oferecem tatuagens a sobreviventes do câncer de mama ou mulheres que fizeram a mastectomia preventiva.

Publicado em Deixe um comentário

ESTÚDIO OFERECE TATUAGEM GRÁTIS A MULHERES COM CÂNCER

O estúdio de tatuagem Veron Custom Tattoos, no centro de Curitiba, decidiu se engajar na luta contra o câncer de mama. O local oferece gratuitamente, durante todo o mês de novembro, o processo de dermopigmentação reconstrutiva aréolo-mamilar e tatuagens artísticas que visam amenizar as marcas deixadas pela mastectomia.

O estúdio apenas realiza as tatuagens em pacientes aptos a passarem pelo processo por isso, preste atenção aos detalhes:

– A cliente tem o direito de escolher o desenho que deseja realizar, porém este deverá passar por análise e aprovação do artista para ser executado.
– A arte deve restringir-se a área das mamas e arredores, tendo como objetivo camuflar cicatrizes em virtude da mastectomia.
– A tatuagem, ou o conjunto que forma o desenho, deve ser realizada inteiramente em uma sessão.
– A pele deve estar completamente cicatrizada, desprovida de irritação e hipersensibilidade;
– A pessoa não estar em processo de radio ou quimioterapia;
– É obrigatória a apresentação de laudo médico que ateste qualificação para o procedimento.

Se interessou? Entre em contato com o Veron Custom Tattoos (41) 3013-2201 / (41) 99666713

Fonte:(Catraca Livre)